Volkswagen. Vendas caem 25% nos EUA

Previsões de economistas e analistas apontavam para uma queda ainda maior


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

As vendas da Volkswagen (VW) caíram 24,7% nos EUA em novembro, refletindo o impacto do escândalo das emissões poluentes, numa altura em que o resto da indústria atinge máximos de 2001.

O construtor alemão anunciou ter vendido 23.882 novos veículos no mês passado, contra 31.725 no mesmo período de 2014.

Esta queda deve-se, explica a VW, ao congelamento da venda de alguns modelos equipados com motores que, segundo as autoridades norte-americanas, permitiam falsificar os testes antipoluição.

As previsões de economistas e analistas apontavam para uma queda ainda maior, de 26,9%.

A descida da VW contrasta com as vendas de outros grandes grupos automóveis presentes no mercado norte-americano que atingiram no mês de novembro níveis que não se registavam desde 2001.

A General Motors, primeiro construtor norte-americano, vendeu, por exemplo, 229.296 veículos no mês passado (+2%) e a Toyota vendeu 189.517 (+12,4%).

OJE

Recomendadas

Trabalhadores da Autoeuropa rejeitam pré-acordo laboral que previa aumento de 5,2%

Dos mais de cinco mil trabalhadores da fábrica de automóveis da Volkswagen, em Palmela, no distrito de Setúbal, só 3.865 exercerem o direito de voto, 2.007 dos quais votaram contra o pré-acordo e 1.826 a favor. Houve ainda 10 votos nulos e 22 brancos.

Governo apela a entendimento entre sindicato e administração da TAP para evitar greves

“O apelo que posso fazer é para que a administração, mas também o sindicato faça um esforço de entendimento e que se consiga poupar a TAP a mais cinco dias de greve”, afirmou Pedro Nuno Santos.

Datalex prevê levar software para advogados a Espanha e Brasil no próximo ano

O diretor da startup portuguesa Datalex disse ao Jornal Económico que a internacionalização passará por parcerias estratégicas. A empresa de tecnologia para juristas renovou recentemente a imagem de marca para apostar noutros mercados e prevê fechar 2022 com uma subida de até 62% na faturação.