Volume de negócios na Indústria cresce 5,4% em outubro

Já os índices de emprego e de remunerações cresceram 2,1% e 3,8% em outubro (2,0% e 3,6% em setembro), respetivamente, segundo os dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística.

O volume de negócios no setor da indústria registou em termos homólogos de 5,4% em outubro (1,9% em setembro). Em relação ao índice de emprego e de remunerações houve um crescimento de 2,1% e 3,8%, respetivamente. No que diz respeito ao índice de horas trabalhadas registou-se uma variação de -1,4% em setembro para 4,9% em outubro, segundo os dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira.

Esta subida de 5,4% no volume de negócios é um resultado que estará influenciado por efeitos de calendário (outubro de 2018 teve mais um dia útil que o mês homólogo de 2017 e setembro teve menos um dia útil que em 2017), segundo a entidade estatística nacional.

A área dos Bens de Investimento teve um crescimento de 11,9% (10,2% em setembro), do qual resultou um contributo de 1,9 pontos percentuais (p.p.) para a variação do índice total. Já os Bens Intermédios e Bens de Consumo passaram de diminuições de 1,2% e 1,5% em setembro, respetivamente, aumentando 4,7% e 4,0% em outubro, contribuíndo juntamente com 2,7 p.p. para a variação do índice agregado. Por sua vez, a Energia variou para os 3,7% (4,9% em setembro).

As vendas na indústria para o mercado nacional cresceram 7,4%, sendo que o segmento da Energia foi aquele que mais contribuiu para a variação do índice industrial, originado pelo aumento de 12,7%. Já os Bens de Consumo subiram 6,3%, o que representa uma aceleração de 6,0 p.p. face ao mês de setembro, contribuíndo com 1,8 p.p. Os Bens Intermédios passaram de uma diminuição de 2,8% em setembro para um aumento de 3,0% em outubro, e contribuíram com 0,9 p.p. para a variação do índice agregado.

 

 

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários