Volume de negócios no Comércio cresceu 3% em 2016

Além do volume de negócios ter crescido, a margem comercial aumentou 3,5% (+4,3% em 2015), fixando-se em 22,5 mil milhões de euros.

David Paul Morris/Bloomberg

O volume de negócios no comércio cresceu 3% em 2016, após um aumento de 3,5% em 2015, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira.

De acordo com os dados do INE para as estatísticas do comércio em 2016, além do volume de negócios ter crescido, a margem comercial aumentou 3,5% (+4,3% em 2015), fixando-se em 22,5 mil milhões de euros. O emprego aumentou 1,3% e as remunerações subiram 4,2%.

No conjunto do setor empresarial não financeiro, o Comércio agregou 18,8% do número de empresas, 37,7% do volume de negócios, correspondendo 19,4% ao valor acrescentado bruto e 20,3% ao emprego.

Em 2016, destacou-se o comércio por grosso, que concentrou 48,9% do volume de negócios do setor, -1,3 pontos percentuais face a 2015, seguindo-se o comércio a retalho representando 36,3%, tal como em 2015. O comércio automóvel, destacou-se com 14,7%, +1,3 pontos percentuais do que no ano anterior.

Já quanto aos produtos alimentares, bebidas e tabaco representaram, em 2016, 27,6% do volume de negócios do comércio por grosso e 33,7% do comércio retalhista.

Relacionadas

Preços das casas aumentaram 10,4% no terceiro trimestre, o ritmo mais elevado em 8 anos

Os dados revelados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que esta foi a taxa de crescimento de preços registada desde o início de 2009.

Economia cresce, mas inflação teimosa dá dores de cabeça

Bancos centrais deram esta semana os últimos passos da política monetária deste ano e começaram a traçar o caminho do próximo. As perspetivas económicas são positivas, mas a subida dos preços continua a falhar metas.
Recomendadas

Lagarde avisa que taxas de juro vão continuar a subir

Dados da inflação na zona euro em novembro vão ser conhecidos esta semana. BCE reúne-se em meados de dezembro.

Cáritas já recebe pedidos de quem não consegue pagar empréstimo da casa

“O pânico foi imediato. O receio das pessoas, a angústia com que se aproximavam de nós a dizer ‘ai, se eu perco a minha casa’. É que nós tivemos uma crise em que houve muita gente a perder a casa; é recente ainda, está na memória das pessoas – 2008”, afirmou Rita Valadas.

Expectativas de exportação na Alemanha aumentam em novembro, diz Ifo

Depois de uma queda no mês anterior, a indústria automóvel volta a ter expectativa de crescimento nas exportações.
Comentários