Volume de negócios nos serviços apresenta quebra de 12,1% em outubro

“O desempenho dos transportes aéreos voltou a ter o impacto mais negativo neste agregado, com uma variação homóloga de -71,2% em outubro, inferior em 4,6 p.p. à taxa observada no mês anterior, invertendo assim a tendência de recuperação observada nos três meses anteriores”, aponta o INE. 

Jason Reed/Reuters

O índice do volume de negócios nos serviços apresentou uma quebra de 12,1% no mês de outubro, face ao período homólogo, uma subida de 0,4 pontos percentuais (p.p.) do que em setembro. Os dados fazem parte dos índices de volume de negócios, emprego, remunerações e horas trabalhadas nos Serviços publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira, 11 de dezembro.

Os dados não ajustados de sazonalidade e de efeitos de calendário mostraram que o índice passou de uma variação de -11,9% em setembro para -15,5% no mês em análise pelo gabinete de estatística nacional.

O INE destaca ainda as secções que mais de destacaram para a variação do índice, entre os quais se verifica que os transportes e armazenagem apresentaram o maior contributo, com menos 4,0 p.p. “em resultado da diminuição homóloga de 28,3%”. “O desempenho dos transportes aéreos voltou a ter o impacto mais negativo neste agregado, com uma variação homóloga de -71,2% em outubro, inferior em 4,6 p.p. à taxa observada no mês anterior, invertendo assim a tendência de recuperação observada nos três meses anteriores”, aponta o INE.

O alojamento, restauração e similares continuou a ser a segunda secção que mais influenciou o resultado agregado, com um contributo de -3,9 p.p., indica o gabinete estatístico. “Este contributo resultou da variação de -40%”, quando em setembro foi de -38,8%. O INE realça ainda que “o alojamento passou de uma taxa de variação de menos -64,5% em setembro para -68,9% em outubro”, enquanto a restauração e similares contraiu 29,5% no mês em observação.

A secção de comércio por grosso, comércio e reparação de veículos automóveis e motociclos manteve a tendência de recuperação que regista desde o passado mês de maio, tendo diminuído 3,8%. O INE notou ainda que a secção do comércio por grosso “apresentou uma variação homóloga de -3,9%, taxa superior em 2 p.p. ao mês precedente”.

Por sua vez, as atividades de informação e comunicação continuaram a ser a única secção dos serviços a apresentar um contributo positivo, de 0,5 p.p., passando de um crescimento homólogo de 7,6% no mês precedente para 7,8% em outubro.

Assim, o índice de emprego registou uma contração homóloga de 8,1% em outubro, a partir de -8% em setembro, o índice de remunerações pagas passou de -4,7% em setembro para -6,1% em outubro e as horas trabalhadas caíram 12,9%, sendo que no mês anterior tinham apresentado uma quebra de 10,1%.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Euribor sobem a três, seis e 12 meses para novos máximos de quase 14 anos

As taxas Euribor subiram hoje para novos máximos desde o início de 2009 a três, seis e 12 meses.

Maioria dos europeus tem hoje maior dificuldade em fazer face às despesas mensais

O disparo dos preços tem levado as famílias europeias a ter maior dificuldade em equilibrar o orçamento mensal. Não há dados específicos para Portugal, mas também cá os salários reais têm caído e o poder de compra emagrecido.
Comentários