Volume de negócios nos serviços desacelerou para 19,6%

O decréscimo traduz-se num abrandamento de 4,6 pontos percentuais (p.p.) face ao observado em maio.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou, esta quarta-feira, que o volume de negócios nos serviços desacelerou para 19,6% em junho deste ano.

Assim o INE aponta que “o índice de volume de negócios nos serviços registou uma variação homóloga nominal de 19,6% em junho, o que traduz um abrandamento de 4,6 pontos percentuais (p.p.) face ao observado em maio”. O índice de volume de negócios nos serviços passou de uma variação homóloga de 24,2% em maio, para 19,6%.

Por secções, a que apresentou o maior contributo (8,9 p.p.) para a variação total, originado pela variação homóloga de 14,7% foi o Comércio por grosso; comércio e reparação de veículos automóveis e motociclos. O Comércio por grosso aumentou 19,1% (23,8% no período precedente). Em sentido inverso, o Comércio, manutenção e reparação de veículos automóveis e motociclos registou uma variação negativa de 1,7% em junho, embora superior em 1,8 p.p. à observada maio.

Quem também contribuiu para a variação total foi o Alojamento, restauração e similares, que aumentou 54,2% (64,6% no período anterior). O Alojamento apresentou uma variação de 158,5% (252,7% no mês precedente) e a Restauração e similares cresceu 33,6% (38,4% em maio)

Por sua vez, os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, apresentaram variações homólogas de 7,7%, 8,2% e 7,3%, respetivamente (8,1%, 10,1% e 10,7% em maio, pela mesma ordem).

O INE aponta que “em junho, o índice de emprego subiu 1,4% em termos mensais, aumento de 1,8% no período homólogo. Os índices de remunerações e de horas trabalhadas registaram variações mensais de 16,2% e -5,9% (18,2% e -2,9% em junho de 2021), respetivamente”

Recomendadas

Comprar casa está mais caro em 17 capitais de distrito no terceiro trimestre

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa, a custar 5.002 euros por metro quadrado e nos segundo e terceiro lugares estão o Porto (3.133 euros/m2) e o Funchal (2.552 euros/m2).

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta terça-feira

“Mais de 70% dos funcionários públicos perdem poder de compra em 2023”; “Fernando Santos perde processo de 4,5 milhões para o Fisco”; “Hospitais travam a fundo no consumo para baixar custos com a energia”

Inflação anual na Turquia atinge 83,45%, um valor recorde em 24 anos

Em termos mensais, a inflação aumentou 3,05% em setembro, informou o Instituto de Estatística da Turquia.
Comentários