Volume de vendas do grupo Renault cai pelo quarto ano consecutivo, na ordem de 9,4%

Foram registadas vendas de 1,46 milhões de veículos no último ano. A marca Renault está a apostar no mercado dos elétricos, onde teve um crescimento homólogo de 12%.

As vendas do grupo Renault caíram pelo quarto ano consecutivo, para 1,46 milhões de unidades em 2022, excluindo o mercado da Rússia. Os números representam uma quebra de 9,4% face aos registos de 2021. Apesar dos problemas ligados à falta de oferta, os veículos elétricos ganham cada vez mais importância, de acordo com os dados divulgados pela construtora e citados pela “Reuters”.

O grupo francês foi atingido pelos efeitos da pandemia de forma mais severa do que a maioria dos seus concorrentes, com impacto na cadeia de produção, devido à escassez de chips para as viaturas. Neste contexto a cota de mercado da marca Renault caiu para os 4% (menos 0,5 pontos percentuais do que em 2021). Agora que tenta fazer crescer as receitas crescerem, o grupo Renault aposta no mercado dos elétricos.

Na mesma marca, que representa dois terços do volume de vendas do grupo, observou-se um crescimento homólogo de 12% neste indicador, com 228 mil unidades vendidas no último ano, de acordo com os dados oficiais. Mais vendas do que a Renault, no mercado dos veículos elétricos, só mesmo a Toyota e a Tesla.

Um dos responsáveis pelas operações do grupo, Fabrice Cambolive, mostrou otimismo para 2023,  agora que existe um melhor portfólio e os stocks estão mais preenchidos.

De referir que, pela primeira vez em uma década, nenhum modelo da Renault figurou nos três veículos mais vendidos em Portugal, de acordo com o “Negócios”.

 

Notícia atualizada às 16h02

Recomendadas

“É importante pensar na estratégia do que se quer para a TAP”, refere administrador da Vila Galé

Gonçalo Rebelo de Almeida considera que é necessário perceber se Portugal quer transformar a TAP numa companhia mais pequena só a Europa ou se o país quer continuar a apostar no seu crescimento.
TAP

Finanças desconheciam bónus de três milhões acordado com CEO da TAP

O antigo ministro João Leão não teve conhecimento do montante do bónus da CEO da TAP que consta do contrato assinado a 8 de junho de 2021.

Premium“Vamos continuar a trabalhar as duas marcas em separado”

Neves e Almeida e CEGOC vão trabalhar em autonomia e com equipas de gestão próprias, mantendo a identidade de cada marca.
Comentários