Volume de Negócios no Retalho registou variação homóloga de 3,7% em outubro

Esta subida foi determinada pelo desempenho do agrupamento de Produtos não Alimentares que compensou o abrandamento observado no agrupamento de Produtos Alimentares.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) anunciou hoje que, o Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho registou em outubro uma variação homóloga de 3,7%, acentuando a subida face aos 2,9% do mês anterior.

Os índices de emprego, de remunerações e de número de horas trabalhadas, ajustadas de efeitos de calendário, apresentaram, no mês de referência, taxas de variação homóloga de 3,0%, 6,3% e 1,2%, respetivamente.

Esta subida foi determinada pelo “desempenho do agrupamento de Produtos não Alimentares, cuja aceleração de 2,1 pontos percentuais, mais que compensou o abrandamento de 1 p.p. observado no agrupamento de Produtos Alimentares”, explicou. As taxas de variação homóloga destes agrupamentos fixaram-se respetivamente em 3,6% e 3,8%, em Outubro.

O índice de emprego registou um crescimento homólogo de 3% em Outubro, acelerando face à subida de 2,5% no mês anterior.

O índice de remunerações no comércio a retalho aumentou 6,3%, em termos homólogos, aumentando também face aos 4,5% em Setembro.

A variação homóloga do volume de trabalho no comércio a retalho, medido pelo índice de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, foi 1,2% em Outubro, recuando face à subida de 2,6% no mês anterior.

Recomendadas

Mudança ‘online’ para todas as empresas no mercado regulado de gás já é possível

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) anunciou hoje uma atualização ao guia para mudar para o mercado regulado de gás natural, com os ‘links’ para a contratação eletrónica de todos os comercializadores naquele mercado.

OE2023: Marcelo diz que previsões são melhores do que esperava mas não são “maquilhagem política”

O Presidente da República afirmou hoje que as previsões económicas do Governo para 2023 são melhores do que esperava, mas considerou que não são “um exercício de maquilhagem política”, embora admitindo que posam falhar.

Governo prevê PIB a crescer 1,3% e défice de 0,9% no próximo ano

O cenário macroeconómico da proposta de Orçamento do Estado para 2023, que está hoje a ser apresentado aos partidos, contempla prevê um abrandamento do crescimento económico de 6,5%, este ano, para 1,3% no próximo. Inflação mantém-se no patamar do OE2022 de 4% e dívida cai para 110,8%.
Comentários