Von der Leyen e Barnier falam em “alívio” pelo acordo do Brexit que garante a salvaguarda dos interesses europeus

Depois do anúncio do acordo atingido à última hora para a saída do Reino Unido, quando falta apenas uma semana para o final do prazo para este processo, os representantes do bloco europeu mostraram-se moderadamente satisfeitos, visto que a vitória conseguida na obtenção de um acordo contrasta com a tristeza que causa a saída do aliado britânico.

Os representantes europeus, na forma da presidente da Comissão Europeia e do negociador-chefe da União Europeia (UE) para o processo do Brexit, falam em “alívio” pelo acordo de saída ter sido atingido antes do prazo efetivo, que expirava a 31 de dezembro.

Em conferência de imprensa em Bruxelas, Ursula von der Leyen contrastou o seu sentimento relativo a este acordo com o que habitualmente sente em casos semelhantes na Alemanha.

“No fim de negociações bem-sucedidas na Alemanha, normalmente sinto alegria. Hoje, devo confessar que me sinto apenas calma, satisfeita e aliviada”, afirmou Ursula von der Leyen ao início da tarde desta quinta-feira.

Lembrando que “a UE e o Reino Unido continuarão a trabalhar lado a lado na obtenção dos seus objetivos comuns”, a presidente da Comissão garantiu que os três pontos principais de discórdia entre os dois blocos ficaram assegurados no acordo conhecido esta quinta-feira, 24 de dezembro de 2020.

Relativamente à competição, um dos assuntos que dominaram as negociações nos últimos meses, a líder europeia garantiu que “a competitividade no mercado único será justa e equilibrada” e que “as regras e padrões europeus serão respeitados”. Caso contrário, “temos ferramentas eficazes caso a competitividade seja distorcida e tenha impacto no nosso comércio”.

“Asseguramos cinco anos e meio de previsibilidade para as nossas comunidades piscatórias”, frisou ainda von der Leyen, que se mostrou também confiante que os mecanismos colocados em prática incentivarão fortemente a manutenção deste acordo na parte das pescas.

Michel Barnier, o negociador-chefe do bloco europeu, aproveitou para agradecer a todos os envolvidos no processo, algo que Ursula von der Leyen tinha também já expressado, com foco nos seus homólogos ingleses.

“Hoje é um dia de alívio, mas também de alguma tristeza, quando comparamos o que tínhamos à partida para este processo com o que se segue”, sublinhou Barnier. O diplomata francês sublinhou que foi um processo árduo, mas mostrou-se satisfeito pela garantia de paz na Irlanda e pela proteção atingida para o mercado único europeu.

Relacionadas

Brexit. Boris Johnson “muito satisfeito” com acordo que vale mais de 540 mil milhões de euros por ano

Depois de meses de impasse, Boris Johnson mostrou-se satisfeito pelo acordo, que permite ao povo britânico recuperar a sua soberania em vários assuntos, sobretudo económicos, de segurança e jurídicos, ao mesmo tempo que liberta o executivo para se concentrar no combate à pandemia.

Acordo do Brexit. Boris Johnson reivindica “cumprimento” das promessas eleitorais

“O acordo é uma notícia fantástica para famílias e empresas em todas as partes do Reino Unido”, refere um comunicado, emitido antes de uma conferência de imprensa esperada do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

“Reino Unido permanecerá vizinho e Aliado”. António Costa saúda acordo do Brexit

Poucos minutos depois de se ter tornado público o acordo entre as partes, o primeiro-ministro elogiou os esforços de toda a equipa negociadora da UE pelo “intenso trabalho” e saudou “vivamente” o acordo alcançado com o Reino Unido que vai reger a relação com Bruxelas a partir de 1 de janeiro.

A sete dias do prazo final para a saída do Reino Unido, há finalmente acordo para o Brexit

Após meses de duras negociações, há fumo branco na questão do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia. Apenas sete dias antes do final do prazo, Bruxelas e Londres finalmente chegaram a um entendimento para uma saída ordenada da Grã-Bretanha do bloco europeu.
Recomendadas

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.

Escassez de carros e inflação dominam mercado da gestão de frotas

Há falta de carros, há falta de peças, há uma inflação galopante no preço das viaturas e há o perigo do abrandamento económico. São fatores negativos para as gestoras de frotas das empresas. Mas as gestoras têm soluções.
Comentários