Von der Leyen quer combater desinformação “tóxica para a democracia”

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, classificou hoje a desinformação como “tóxica para a democracia” na União Europeia (UE), anunciando um pacote de defesa democrática contra “os autocratas estrangeiros”, como a China.

“Não devemos perder de vista a forma como os autocratas estrangeiros estão a visar os nossos próprios países e as entidades estrangeiras são institutos de financiamento que minam os nossos valores, [já que] a sua desinformação está a espalhar-se desde a internet até às salas das nossas universidades”, disse Ursula von der Leyen.

Intervindo no seu terceiro discurso sobre o Estado da União, na sessão plenária do Parlamento Europeu, na cidade francesa de Estrasburgo, a líder do executivo comunitário vincou que “estas mentiras são tóxicas para as democracias” da UE.

E exemplificou: “No início deste ano, a Universidade de Amesterdão encerrou um centro de investigação alegadamente independente, que na realidade era financiado por entidades chinesas e estava a publicar a chamada investigação sobre direitos humanos, rejeitando as provas de campos de trabalho forçado para Uyghurs como rumores”.

Defendendo que a UE tem de se “proteger melhor contra interferências malignas”, Ursula von der Leyen apontou que o executivo comunitário já avançou com legislação para analisar o investimento direto estrangeiro nas empresas europeias, por preocupações de segurança.

“Se o fizermos pela nossa economia, não deveríamos fazer o mesmo pelos nossos valores?”, questionou.

Por isso, a líder da Comissão Europeia anunciou um novo “pacote de Defesa da Democracia, que trará à luz influência estrangeira dissimulada e financiamento sombrio”.

Apontando que, durante mais de 70 anos, a Europa “marchou em direção à democracia”, Ursula von der Leyen avisou também que Bruxelas “não vai permitir que nenhum cavalo de Troia da autocracia ataque as democracias europeias, a partir do interior”.

“Os ganhos da nossa longa jornada não estão garantidos […] e temos de proteger as nossas democracias tanto das ameaças externas que enfrentam, como dos vícios que as corroem a partir de dentro. É dever e papel mais nobre da minha Comissão proteger o Estado de direito”, adiantou.

Numa altura em que a Polónia e a Hungria enfrentam disputas com Bruxelas relativamente ao cumprimento do Estado de direito e da salvaguarda da autonomia dos juízes, com ameaças de corte de fundos comunitários, Ursula von der Leyen assegurou que irá “continuar a insistir na independência judicial”.

“E também protegeremos o nosso orçamento através do mecanismo de condicionalidade”, concluiu.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

Impacto das sanções dos Estados Unidos prejudica cooperação com Portugal, diz embaixador iraniano

Mortza Damanpak Jami afirmou que até 2017, as relações e trocas comerciais entre os dois países ascendiam a 65 milhões de euros, valor que, depois das sanções devido ao programa nuclear iraniano, tem vindo a descer, situando-se em 2021 em torno dos 12 ou 13 milhões de euros.

Eleições do Brasil: Lula da Silva vota em eleição que pode definir o seu regresso ao Governo

Além de Lula da Silva e Bolsonaro, disputam as presidenciais brasileiras os candidatos Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Padre Kelmon, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.
Comentários