Voos diretos para sair da Rússia esgotam após Putin anunciar “mobilização parcial” da população para a guerra

Todas as opções restantes exigem uma escala dentro do próprio país. A par dos ingressos, “como sair da Rússia” foi a frase mais pesquisada do Google, na noite de terça-feira.

epa09910064 Russian President Vladimir Putin meets with Russian Olympic and Paralympic athletes during a state awards ceremony for Russian medal winners of the Beijing 2022 Olympic Winter Games at the Kremlin in Moscow, Russia, 26 April 2022. EPA/YURI KOCHETKOV

Após Vladimir Putin ter anunciado uma “mobilização parcial” da população para a guerra com a Ucrânia, esgotaram-se todos os voos diretos para fora da Rússia.

A convocatória é obrigatória e quem a receber fica impedido de sair do seu local de residência “sem autorização da polícia militar”, de acordo com o Novo. 

Minutos bastaram para que desaparecessem todos os voos diretos de 21 de cetembro para Istambul e Yerevan, por exemplo, os principais destinos dos russos desde que os céus europeus foram fechados. As alternativas estão sobrecarregadas pela procura. “Por volta do meio-dia, horário de Moscovo, os bilhetes diretos para Tashkent, Baku, Bishkek e Astana desapareceram”, confirmou o jornal “Neska”.

Todas as opções restantes exigem uma escala dentro do próprio país. A par dos ingressos, “como sair da Rússia” foi a frase mais pesquisada do Google, na noite de terça-feira.

Recomendadas

Cancelados dois concertos de Roger Waters na Polónia devido a posicionamento pró-russo

O co-fundados dos Pink Floyd iria atuar em Cracóvia em abril do próximo ano, na sala de espetáculos “Tauron Arena”, mas, segundo adiantam alguns meios de comunicação da Polónia, as autoridades polacas pretendem declarar Roger Waters como ‘persona non grata’.

Mais 821 detidos no sábado na Rússia em protestos contra mobilização militar

Moscovo foi a cidade com maior número de detidos, cerca de 400, mas também foram detidas pessoas em São Petersburgo (142 detidos), Novosibirsk (71), Irkutsk (20), Tomsk (19), Izhevsk (17), Ufa (16), entre outros locais.

Presidente do Senado russo pede que se evitem arbitrariedades na mobilização

Valentina Matviyenko salientou que sobre uma questão tão “sensível não deveria haver lugar a várias interpretações e lacunas para a aplicação subjetiva” do decreto de mobilização.
Comentários