Voto por antecipação e conversas à distância marcam o oitavo dia de campanha

A segunda semana da campanha eleitoral para as legislativas de 30 de janeiro iniciou-se este domingo, num dia marcado pelo voto antecipado, incluindo de três dos líderes de campanha dos partidos com representação parlamentar.

O secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa à entrada para um comício em Santarém numa ação de campanha eleitoral para as Eleições Legislativas 2022. 20 de janeiro de 2022. Mais de 10 milhões de eleitores residentes em Portugal e no estrangeiro constam dos cadernos eleitorais para a escolha dos 230 deputados à Assembleia da República. MIGUEL A. LOPES/LUSA

O dia que dá início à segunda metade da campanha eleitoral foi de votação antecipada para eleitores anónimos e para alguns dos candidatos, mas também um dia de conversa à distância.

Como tem acontecido, o Jornal Económico destaca três momentos.

Primeiro momento

Primeiro, foi o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, que nestes dias substitui o secretário-geral do partido em campanha, a enfrentar o frio para votar em Évora, onde é cabeça de Lista, ainda antes da 9h00; depois, o secretário-geral do PS, António Costa, votou no Porto, no Pavilhão Rosa Mota, onde foi recebido pelo presidente da câmara da cidade, Rui Moreira; finalmente, Rui Tavares, fundador do Livre e cabeça de lista do partido pelo círculo de Lisboa, que votou na Reitoria da Universidade de Lisboa. Todos aproveitaram a oportunidade de votar antecipadamente.

Quando começam as votações, estamos mesmo na reta final do processo de escolha de quem vai integrar a Assembleia da República. “Parto para esta última semana muito animado e confiante. Sei que há muitas pessoas que estão indecisas, mas também sinto que, cada vez mais, as pessoas percebem o que está em causa nestas eleições e quais são as diferenças fundamentais para a sua vida”, afirmou António Costa, depois de votar. João Oliveira votou em Évora com “gosto redobrado”, mesmo que o seu voto seja contabilizado em Setúbal, no círculo eleitoral em que está recenseado. Já Rui Tavares alertou para o perigo da direita, quando votou, depois de já ter dito, ainda este domingo, que quem quer votar no Livre não pode ser sentir-se pressionado pelo “voto útil”, na disputa que os partidos têm apontado, de forma mais alargada, de uma maioria de esquerda ou de direita no Parlamento.

Segundo momento

Com os candidatos dos partidos com representação parlamentar em campanha em diferentes pontos do país, este domingo, as conversas entre eles não foram feitas por telefone, SMS ou até WhatsApp, mas através da comunicação social, com declarações, réplica, acusações, convites. Nas Caldas da Rainha, a coordenadora do BE, Catarina Martins, acusou o PS de “queimar pontes à esquerda” e avisou que o pedido de maioria absoluta “acaba por abrir caminho à direita”, isto por causa das sondagens, que indicam uma aproximação do PSD ao PS e, no sábado, o inquérito diário que a Pitagórica está a fazer para a TVI/CNN Portugal resultou numa liderança do PSD, com 34,5%, mais um ponto que o PS, o que, na prática, traduz um empate técnico, o que já acontecia anteriormente. Na sondagem deste domingo, voltou o PS para a frente, com 34,1% dos votos, mais 0,6 pontos percentuais que o PSD.

Em Guimarães, o secretário-geral do PS ripostou, afirmando que o BE deveria pedir desculpa por ter rompido a unidade da esquerda, quando votou contra o orçamento do Estado para 2021 e repetiu o mesmo com a proposta para 2022. “Percebo que partidos que já em 2020 quiseram romper a unidade da esquerda precisem agora de arranjar um bode expiatório”, afirmou António Costa. “Não recebo lições da Catarina Martins”, avisou, ainda, no final de arruada, que quase se sobrepôs a outra, do PSD, que decorreu horas antes no mesmo local.

Regressada a Lisboa, para um comício no Pavilhão Carlos Lopes, Catarina Martins não respondeu diretamente, mas convidou o secretário-geral para uma reunião, logo no dia 31, a seguir às eleições. “O Bloco está disponível e convida-o para que nos reunamos no dia 31 de janeiro para trabalharmos numa agenda de medidas e metas para quatro anos”, disse. Voltou, claro, a dizer que o “voto útil” é no BE.

Já em Braga, António Costa defendeu o voto no PS, porque constrói pontes, “onde os outros só veem impossíveis”, numa mensagem destinada ao PSD, mas que podia ter como destinatário o BE, pelo que tem afirmado.

A coordenadora do PAN, Inês de Sousa Real, tentou intrometer-se na conversa, dizendo achar bem que o BE “esteja, finalmente, disponível para dialogar, se não o fez antes”, e também Rui Tavares procurou ser ouvido, insistindo na convergência da esquerda. Ambos não obtiveram resposta, pelo menos, hoje.

Terceiro momento

Sempre disponível para imagens, que, como se sabe, valem por mil palavras, o presidente do Chega, André Ventura, discursou no encontro que a sua campanha organizou com antigos combatentes, no Porto, envergando um camuflado, mesmo que não tenha feito serviço militar. Foi oferecido pela organização e serviu como adereço para algumas promessas, mesmo que o programa eleitoral ou o documento de 100 medidas do Chega para o Governo não tenham qualquer referência aos ex-militares. Comprometeu-se com a trasladar os mais de três mil combatentes da Guerra Colonial que ficaram sepultados nas antigas colónias, acesso gratuito ao Hospital das Forças Armadas a todos os combatentes e respetiva família e uma pensão mensal de “200 euros, no mínimo”, para todos os antigos combatentes.

O caso motivou uma reação do presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, que reagiu com uma publicação na sua página oficial de Facebook a dizer que “uniforme e os restantes símbolos militares são para quem os mereceu, os percebe e os respeita”, dando a entender que não será o caso de André Ventura.

O momento passou e, na Póvoa de Varzim, o presidente do Chega adaptou-se ao enquadramento, com uma camisola poveira.

Relacionadas

Legislativas: Costa afirma que direção de Rio quer fingir que é diferente do PSD de Passos

O secretário-geral do PS acusou hoje a atual direção social-democrata, liderada por Rui Rio, de pretender fingir que é diferente politicamente da de Pedro Passos Coelho, apontando como exemplo de continuidade a questão do salário mínimo.

Mais de 13 mil pessoas em confinamento e idosos pediram para votar

Mais de 13 mil pessoas em confinamento devido à covid-19 e idosos em lares inscreveram-se até às 18:00 de hoje para o voto antecipado nas legislativas, indicam dados do Ministério da Administração Interna (MAI) enviados à Lusa.

Legislativas: Rio mais confiante na vitória acusa Costa de “deturpar” propostas do PSD

O presidente do PSD, Rui Rio, disse hoje estar mais confiante na vitória nas eleições de 30 de janeiro e acusou o líder do PS de seguir o “rumo” da mentira ao “deturpar” as propostas social-democratas.

PremiumEvolução na continuidade, mas com menos impostos

Os partidos da esquerda querem mais escalões no IRS e os da direita posicionam-se em direção a uma taxa plana. Todos pretendem a redução de impostos, mas não deverá haver revoluções.
Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários