“Vou contar um segredo: um dia vou almoçar numa escola e depois vemos o que acontece”, revela secretária de Estado Adjunta e da Educação

À margem de uma visita de crianças e jovens ao ministério da Educação, Alexandra Leitão disse esta segunda-feira que irá fazer uma visita surpresa a uma cantina de uma escola.

A secretária de Estado Adjunta e da Educação disse esta segunda-feira que irá fazer uma visita surpresa a uma cantina de uma escola portuguesa. À margem de uma visita de crianças e jovens ao ministério da Educação, Alexandra Leitão respondeu a um dos mais pequenos, dizendo:

“Vou contar-vos um segredo (…). Um dia destes, não vou dizer nem quando nem onde, eu vou almoçar a uma escola e depois vamos ver o que é que acontece. Vai ser engraçado, garanto-vos que vai ser engraçado”, assegurou a secretária de Estado Adjunta e da Educação, em declarações veiculadas pela TSF.

Segundo a rádio, na visita dos 25 alunos das escolas Agostinho da Silva, António Verney, Agrupamento de Escolas de Palmela e do Centro Social São Maximiliano Kolbe, a governante admitiu a “grande preocupação” com o tema das refeições escolares e a hipótese de ir inspecionar a forma como a comida é confecionada.

Pais queixam-se das refeições nas escolas (e as imagens são preocupantes)

Numa entrevista à SIC, divulgada ontem, a secretária de Estado Adjunta e da Educação esclareceu que o acordo de princípio com os professores “é responsável” e não coloca em causa a sustentabilidade financeira do Estado. “Este acordo parte do pressuposto da aceitação pelos sindicatos dos termos concretos do descongelamento que está na lei do Orçamento e que pressupõe que a partir de 1 de janeiro de 2018, para todas as carreiras da função pública e não apenas para os professores, o cronómetro volte a contar. Coisa diferente é a recuperação do tempo de serviço”, disse Alexandra Leitão.

Em declarações ao canal de Carnaxide, a governante nada diz sobre se serão repostos na íntegra congelamentos de carreiras nos últimos nove anos, quatro meses e dois dias.  “É uma possibilidade, mas que resultará do processo negocial”, disse Alexandra Leitão. “Neste momento, não está no compromisso nem é intenção do Governo fazer condicionar a recuperação do tempo de serviço a uma revisão da carreira docente”, sublinhou.

Relacionadas

Refeições escolares: Qualidade origina 70 queixas desde o início do ano letivo

A Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares recebeu desde o início do ano letivo 70 queixas relativas à má qualidade das refeições escolares e à falta de pessoal nas cantinas, segundo dados do Ministério da Educação.

Governo admite começar a pagar reposição salarial aos professores nesta legislatura

A revelação foi feita pelo secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) à saída da reunião com o Governo no Ministério da Educação (ME) e contraria o que havia sido dito anteriormente às outras forças sindicais que se reuniram com o executivo antes desta federação.

Governo e professores não chegam a acordo mas assinam compromisso (após 10 horas de reunião)

No final da reunião de 10 horas com três estruturas sindicais, o Governo congratulou-se com o acordo assinado esta madrugada.
Recomendadas

Cinco restaurantes portugueses conquistam primeira estrela Michelin

Encanto (José Avillez e João Diogo), Kabuki Lisboa (Paulo Alves), Kanazawa (Paulo Morais), Euskalduna Studio (Vasco Coelho Santos) e Le Monument (Julien Montbabut) receberam o selo de “cozinha de grande nível, compensa parar” no Guia Michelin Espanha e Portugal 2023.

Empresas de carnes e peixes artificiais veem “desafios” com a crise

Multinacionais como Beyond Meat ou Impossible Foods tiveram um crescimento exponencial em 2019-20 e hoje enfrentam quebras de vendas e despedimentos. Em Portugal, outras ‘agrotechs’ admitem preocupações, mas garantem impacto positivo do negócio no longo prazo.

Padaria Portuguesa transforma óleo alimentar em biocombustível

Produto é encaminhado para produzir o Eco Diesel B15, que permite reduzir até 18% as emissões de gases de efeito estufa.
Comentários