Wall Street abre semana da reforma fiscal com Dow Jones imparável

O Dow Jones está a subir 0,80% na abertura para 24.848,91 pontos, e a caminhar a passos largos para os 25.000 pontos. Já o Nasdaq 100 sobe 0,82% para 6.993,45 pontos e já roça os 7.000 pontos. O impulso que a reforma tributária dará à economia dos EUA é motivo suficiente para que os mercados continuem a subir no curto prazo.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 5, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

O Congresso planeia aprovar a reforma fiscal de Trump esta semana. Os investidores continuam a celebrar e a descontar nas cotações que a reforma fiscal promovida pela administração Trump será aprovada esta semana, o que permite que os índices de Nova Iorque mantenham a sua impressionante tendência de subida nos últimos meses. Isso faz com que o Dow Jones avance 24,7% este ano e até agora, o S&P 500 valorize 19,5% e o Nasdaq 29% no ano.

O Dow Jones está a subir 0,80% na abertura para 24.848,91 pontos, e a caminhar a passos largos para os 25.000 pontos ao passo que o Nasdaq 100 sobe 0,82% para 6.993,45 pontos e já roça os 7.000 pontos. O impulso que a reforma tributária dará à economia dos EUA é motivo suficiente para que os mercados continuem a subir no curto prazo.

O S&P 500 ganha nesta altura, no inicio da sessão 0,71% para 2.694,7 pontos.

Os analistas de Wall Street não prevêem uma correção significativa antes de meados do primeiro trimestre do próximo ano.

Sobre a reforma tributária, as principais linhas da legislação que serão aprovadas esta semana, quase com total segurança, são uma redução do imposto sobre as pessoas singulares para 21% e uma taxa do imposto de rendimentos de pessoas singulares que no escalão mais alto será de 37% (era de 39,6%).

 

Além disso, a dedução de impostos estatais e sobre a propriedade é limitada a um máximo de 10.000 dólares a dedução dos juros com o crédito habitação, que fica disponível apenas para casas com um valor inferior a 750 mil dólares.

Por outro lado, elimina a taxa alternativa mínima (AMT) para as empresas e a obrigação individual de contratar um seguro de saúde a partir de 2019, que estava previsto Obamacare. Finalmente, a taxa de repatriação de fundos das multinacionais será de 15,5 % para os ativos líquidos e 8% para líquidos ilíquidos.

O Congresso dos Estados Unidos está prestes a promulgar esta grande reforma fiscal. A disposição mais importante do plano reduz o imposto sobre as empresas de 35% para 20% – do nível mais alto entre todos os países da OCDE para um dos mais baixos – e permite que as empresas dos EUA repatriem os lucros das suas subsidiárias no exterior sem pagar impostos adicionais nos EUA.

A Câmara dos Deputados deverá votar a proposta amanhã, terça-feira e, em seguida, o Senado. Se este calendário for cumprido sem incidentes ou atrasos, é viável que este fator sirva de catalisador de todas as bolsas de valores ocidentais, dizem os analistas que acompanham o mercado norte-americano, nos sites internacionais acrescentam.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, “não tem dúvidas” de que será aprovado esta semana.

Na agenda económica da semana, nesta segunda-feira, o índice de confiança do setor de construção (NAHB) de dezembro é publicado; na terça-feira, as novas construções e as licenças de construção de habitação de novembro e quarta-feira as vendas de casas em segunda mão e as reservas de petróleo semanais.

Na sexta-feira, conheceremos um dos indicadores favoritos da Federal Reserve (Fed) para calibrar as expectativas para a inflação de longo prazo. Isto é, o índice de gastos de consumo pessoal (o consenso espera que a taxa geral permaneça nos 1,5% e a taxa subjacente fique nos 1,4%). Nesse dia, o índice de confiança do consumidor para dezembro e as vendas de novas casas para novembro também serão publicados.

A nível das empresas, o fabricante de software empresarial Oracle comprou a empresa australiana Aconex por 1,2 mil milhões de dólares. A Aconex subiu 44% na Bolsa de Valores de Sydney.

No mercado de commodities, o petróleo do West Texas cai 0,5% para 57,27 dólares, enquanto o Brent sobe 0,22% para 63,37 dólares.

No mercado de divisas, o euro sobe 0,49% para 1.1807 dólares.

Finalmente, os futuros de bitcoin estrearam no CME – o CME Group é o principal e mais diversificado mercado de derivativos do mundo e caiu 1,7% para 19.320 dólares, após a abertura no domingo acima dos 20.000 dólares.

Recomendadas

Terceiro dia consecutivo de perdas em Wall Street. S&P 500 e Nasdaq derrapam

As ações da bolsa norte-americana encerraram a sessão em queda, pelo terceiro dia consecutivo. O empresarial S&P 500 e o tecnológico Nasdaq derraparam e apenas a indústria salvou Wall Street de uma terça-feira pintada a ‘vermelho’.

Bolsa de Lisboa encerra sessão com ganhos ligeiros numa Europa dividida

Entre as cotadas que mais ganharam está a Altri, que avançou 1,74% para 5,55 euros, seguida da Mota Engil que valorizou 1,14% para 1,244 euros e Galp Energia +1,09% para 11,59 euros. A NOS termina o dia flat.

IGCP recompra Obrigações do Tesouro na quarta-feira

Num comunicado divulgado esta terça-feira, o IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública afirma que no leilão recompra as obrigações do Tesouro “PTOTEAOE0021- OT 4,95% 25 Out 2023” e “PTOTEQOE0015 – OT 5,65% 15 Fev 2024”.
Comentários