Wall Street abre em alta mas investidores continuam à espera

Mais tarde ou mais cedo, os estímulos à recuperação vão chegar: os congressistas deixaram saber que não haver um plano de auxílio já não é opção, face ao descalabro económico do país. A esperança serve de estímulo, mas gasta-se com facilidade.

A aproximação do minuto em que democratas e republicanos vão finalmente concordar com um novo pacote de medidas para estimular a economia dos Estados Unidos e a perspetiva de fortes ganhos das empresas do setor comercial nas próximas semanas, seguraram os principais índices de Wall Street. Estes índices estiveram, aliás, sobreaquecidos ao longo da semana – e apesar de ser possível que no final do dia se registe uma pausa nesses ganhos, há à partida todas as condições para mais um dia positivo nos mercados.

O índice S&P 500 subiu na abertura 1 ponto, ou 0,03% ; o Dow Jones subiu 6 pontos, ou 0,02%; enquanto o Nasdaq subiu 2,25 pontos, ou 0,02%. Pouco tempo depois da abertura, o Dow Jones continuava em terreno positivo, mas o S&P perdeu fôlego, estando prestes a ‘virar’ para o vermelho.

Para os analistas, os mercados provavelmente verão maiores volumes de negociação durante o dia devido ao vencimento de futuros de índices de ações, opções de índices de ações, opções de ações e futuros de ações individuais – também conhecido como quadruple witching. De qualquer modo, os índices estão a ser alavancados pelas empresas comerciais – entre elas a Kohl’s Corp, Walmart e Macy’s – respondendo a uma análise de National Retail Federation, que sinalizava a possibilidade de uma alta da procura na fase pré-Natal.

“O mercado está um pouco cético porque o cronómetro está ligado e o tempo está a esgotar-se”, disse Thomas Hayes, membro da consultora Great Hill Capital, de Nova Iorque. “A aprovação dos estímulos daria uma alta para o setor do comércio, porque a grande maioria desse dinheiro irá diretamente para as compras de fim de ano na expectativa de receber os cheques de apoio, mesmo se eles vierem depois do Natal”, disse Thomas Hayes.

Os três principais índices de Wall Street terminaram em máximos recorde na quinta-feira, já que a aprovação do plano de estímulos parecia iminente, com os deputados dos dois partidos a dizerem que o agravamento da pandemia significa que o fracasso em chegarem a um acordo sobre um novo estímulo não mais é uma opção. Os dados desanimadores das vendas a retalho e os pedidos de desemprego ao longo da semana também foram vistos como um argumento para ‘estimular’ os congressistas de chegarem a um acordo. Mas o certo é que, para já, ele ainda não existe.

Recomendadas

Bolsas europeias negoceiam mistas aguardando próxima reunião da Fed

Na quarta-feira, Wall Street encerrou com o índice Standard & Poor’s a cair 0,19% para 3.933,92 pontos, enquanto o Nasdaq perdia 0,51% para 10.958,55 pontos e o Dow Jones Industrial mantinha-se inalterado nos 33.597,92 pontos.

Bolsa de Lisboa inicia sessão em terreno negativo

Na quarta-feira, o PSI fechou a descer 0,22%, para 5.852,78 pontos, em linha com o resto da Europa.

Wall Street fecha instável em face da provável recessão

A indefinição está a marcar a economia interna dos Estados Unidos. sabe-se que haverá uma recessão, mas os seus contornos em termos de profundidade e duração não são claros. E o mercado mobiliário parece não gostar disso.
Comentários