Wall Street abre em terreno negativo em antecipação à reunião da Fed

No início da sessão, o S&P 500 desce 0,18%, para 4.625,70 pontos, o tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,34%, para 15.186,0 pontos, e o industrial Dow Jones cai 0,36%, para 35.417,12 pontos.

A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta quarta-feira no ‘vermelho’, com os investidores a revelarem um sentimento pessimista em antecipação às declarações do presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed), Jerome Powell, agendadas para as 19h30 (hora portuguesa).

Os analistas esperam que Powell anuncie uma aceleração da retirada de estímulos e dê um novo outlook sobre a inflação que possa sinalizar potenciais movimentos na taxa de juro de referência. A juntar aos receios dos investidores, estão os números das vendas a retalho nos Estados Unidos, que tiveram um desempenho abaixo do esperado em novembro.

No início da sessão, o S&P 500 desce 0,18%, para 4.625,70 pontos, o tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,34%, para 15.186,0 pontos, e o industrial Dow Jones cai 0,36%, para 35.417,12 pontos.

Em relação ao preço do barril de petróleo, em Nova Iorque, o WTI desce 1,15% para os 69.92 dólares por barril, enquanto o Brent desvaloriza 0,99% para os 72.97 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro mantém-se inalterado face ao dólar norte-americano nos 1,1258 dólares, enquanto a libra esterlina deprecia 0,09% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,3227 dólares.

Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários