Wall Street abre ‘flat’, mas matérias-primas dão bom prenúncio para 2018

Numa semana marcada pelo baixo volume de negociações, o foco está nas matérias-primas. O cobre atingiu máximos de dois anos e meio e o petróleo tocou o valor mais elevado desde o final de 2015.

Nick Oxford / Reuters

Numa semana de reduzido volume de negociações devido às festas, as bolsas em Wall Street abriram com ganhos ligeiros. No entanto, o foco do início da sessão nos Estados Unidos está nas matérias-primas cobre e petróleo.

Os preços do cobre, metal usado na energia e na construção, subiu 1,2% para 7.210 dólares por tonelada, o máximo em três anos e meio, devido a um aumento nas importações da China em novembro.

Já o preço do petróleo atingiu máximos de dois anos, depois da explosão de um oleoduto na Líbia, mas segue agora a corrigir. Em Nova Iorque, o crude WTI perde 0,57% para 59,63 dólares por barril e, em Londres, o Brent recua 0,78% para 65,94 dólares por barril.

“As pessoas estão a usar os preços do cobre e do petróleo como percursores para sinalizar que a economia dos EUA está a fortalecer-se”, referiu o estrategista chefe de investimento da SlateStone Wealth, Robert Pavlik, à agência Reuters.

Em Wall Street, o índice industrial Dow Jones ganha 0,01% para 24.748,31 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 sobe 0,07% para 2.682,34 pontos e o tecnológico Nasdaq avança 0,02% para 6.937,32 pontos, depois de os três índices terem fechado a sessão desta terça-feira no vermelho.

A Apple esteve em destaque depois de o Economic Daily de Taiwan ter noticiado que a gigante norte-americana vai cortar a previsão de vendas do iPhone X – o smartphone topo de gama da empresa – para este trimestre de 50 milhões de unidades para 30 milhões. As ações da Apple desceram esta terça-feira 2,54% para 170,57 dólares, na pior sessão desde agosto. Esta quarta-feira, os títulos da tecnológica recuam 0,23% para 170,18 dólares.

No mercado cambial, o dólar desvaloriza face às pares europeia e britânica: 0,39% para 0,840 euros e 0,29% para 0,745 libras. Já contra a divisa japonesa, o dólar aprecia-se 0,02% para 113,25 ienes.

Relacionadas

Pesos pesados BCP e Jerónimo Martins levam PSI 20 para o vermelho em dia de baixa liquidez

O PSI 20 regressou do Natal em queda, pressionado por alguns dos pesos pesados. Em época de volumes baixos, o destaque da manhã foi uma transação em bloco de 863.513 ações dos CTT, o correspondente a 0,7% do capital disperso em bolsa.

Apple castiga Nasdaq com más notícias sobre o iPhone X

Em época de volumes reduzidos devido à quadra natalícia, a Apple esteve em destaque pela negativa. Uma notícia sobre a fraca procura do iPhone X esteve na base da queda e arrastou o setor da tecnologia. No petróleo, foi dia de ganhos fortes após uma explosão num oleoduto na Líbia.

Do Pippin ao iphone X. A história da Apple é feita de sucessos e fracassos

Os analistas reviram esta semana uma quebra de encomendas no ‘smartphone’ lançado em setembro pela marca da maçã.
Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários