Wall Street abre ‘flat’ na última sessão do ano

No início da sessão desta sexta-feira, 29 de novembro, o índice Dow Jones chegou a tocar o vermelho pressionado pela Apple e pela Goldman Sachs.

Crash de 25% em Wall Street

A principal praça norte-americana segue em terreno misto com o principal índice, o Dow Jones a ganhar uns escassos 0,03% e sem grandes movimentações. A sessão anuncia-se, portanto, pacífica.

A puxar o índice, destaque sobretudo para a Coca-Cola, que negoceia a subir 0,61%, cotando-se nos 43,99 dólares.

Do lado contrário, o Dow Jones está a ser empurrado pela tecnológica Apple e pela financeira Goldman Sachs.

A Apple revelou que os iphones estão mais lentos, oferecendo descontos aos clientes que queiram trocar baterias. Os investidores não gostaram do que ouviram e a empresa liderada por Tim Cook seguia no início da sessão a perder 0,63%, cotando-se nos 170 dólares.

Já a Goldman Sachs anunciou, esta sexta-feira, que espera uma queda de cinco mil milhões de dólares (4,2 mil milhões de euros) no lucro do quarto trimestre de 2017 devido à nova lei tributária dos Estados Unidos, aprovada há exatamente uma semana pelo presidente Donal Trump.

Em Wall Street, o índice S&P 500 segue a perder uns escassos 0,01% (2.687 pontos) e o tecnológico Nasdaq também cai 0,11% (6.941).

Recomendadas

BCP cai 5% e arrasta Bolsa de Lisboa para terreno negativo numa Europa mista

“O índice nacional esteve pressionado pela queda de 5% do BCP, numa sessão onde o setor Bancário demonstrou a pior performance na Europa”, escreveu o analista do Millennium BCP, Ramiro Loureiro, na sua análise de fecho de mercados.

CMVM publica cinco decisões de contraordenação, incluindo a coima de 75 mil euros à Orey Antunes

Na base das decisões da CMVM estão três processos por violação de deveres de atuação dos auditores. O processo contra a Orey Antunes por não ter divulgado os documentos de prestação de contas anuais e um processo por violação de deveres dos intermediários financeiros.

Wall Street abre a terceira sessão da semana com perdas ligeiras

A Lyft, concorrente da Uber, é um dos títulos em destaque, depois de anunciar que congelou todas as contratações nos Estados Unidos até ao final do ano, no âmbito de um corte de custos para controlar o impacto da inflação. As ações da plataforma de transporte reagem pela positiva.
Comentários