Wall Street abre mista em reação ao aumento da inflação superior às previsões dos analistas

O relatório do Departamento do Trabalho norte-americano mostrou que o índice de preços ao consumidor subiu 0,3% no mês passado, o menor ganho desde agosto, mas acima da previsão dos economistas de um aumento de 0,2%.

A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta sexta-feira no ‘vermelho’, com os investidores a revelarem pouco apetite pelo risco devido aos novos dados da inflação, que mostram uma subida de 0,3% em abril, renovando as preocupações sobre um ‘aperto’ agressivo da política monetária. O tecnológico Nasdaq é o mais penalizado.

O relatório do Departamento do Trabalho norte-americano mostrou que o índice de preços ao consumidor subiu 0,3% no mês passado, o menor ganho desde agosto, mas acima da previsão dos economistas de um aumento de 0,2%. No entanto, a subida mensal da inflação foi menor em comparação com a de 1,2% em março (o maior aumento desde setembro de 2005), mas os investidores antecipam que poderá levar a um aumento da taxas de juro em 75 pontos base em junho pela Reserva Federal norte-americana.

No início da sessão, o S&P 500 sobe 0,26%, para 4.011,60 pontos. O industrial Dow Jones aumenta 0,36%, para 32.242,86 pontos. Já o tecnológico Nasdaq arranca a sessão a desvalorizar 0,23%, para 11.710,96 pontos.

“Bolsas em Wall Street iniciam a sessão em baixa, após a divulgação de que a inflação recuou menos do que o esperado no mês de abril, um dado que gera mais pressão sobre a Fed no que respeita às taxas de juro”, afirma o analista de mercados da Millennium investment banking, Ramiro Loureiro.

Em relação ao preço do barril de petróleo, em Nova Iorque, o WTI sobe 5,27% para os 105,02 dólares por barril, enquanto o Brent valoriza 4,43% para os 107,00 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro aprecia 0,39% face ao dólar norte-americano para os 1,0568 dólares, enquanto a libra esterlina aprecia 0,54% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,2389 dólares.

Recomendadas

BCP e REN lideram ganhos na bolsa de Lisboa

Em contraste ao PSI, nas bolsas europeias a tendência nas principais praças é de desvalorização das bolsas.

IGCP colocou 1.500 milhões a seis e 12 meses, com juros positivos no prazo mais longo

“Portugal veio ao mercado com duas emissões de dívida de curto prazo, colocou em bilhetes do tesouro a 6 meses 625 milhões de euros e a 12 meses 875 milhões de euros. Face ao último leilão comparável assistimos a uma subida nas taxas”, segundo o Banco Carregosa.

IGCP vai ao mercado levantar até 1.750 milhões em dívida a seis e a 12 meses

O IGCP precisou que as maturidades dos BT hoje leiloados são em 18 de novembro de 2022 (seis meses) e em 19 de maio de 2023 (12 meses).
Comentários