Wall Street abre mista. Vivint sobe 30% com acordo de compra

Em causa está um negócio de 2,8 mil milhões de dólares com a NRG Energy.

A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta terça-feira em terreno misto, depois de vir a público que o défice da balança comercial dos Estados Unidos deverá agravou-se em outubro para os 78,2 mil milhões de euros (+5,4%).

O Dow Jones sobe 0,10% para 33.980,23 pontos, o S&P 500 está na linha d’água (-0,01%) para 3.999,32 pontos e o Nasdaq soma 0,22% para 11.215,71 pontos. O Russell 2000 desvaloriza 0,08% para 1.834,25 pontos.

“No seio empresarial, de destacar o disparo de GitLab, após apresentação de contas. Nota ainda para o negócio da NRG Energy que faz disparar a Vivint Smart Home”, afirma Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, numa nota de mercado.

De facto, as ações da GitLab estão a disparar 9,33% para 41,91 dólares, na sequência da divulgação dos resultados trimestrais desta tecnológica de armazenamento de código. Por exemplo, no terceiro trimestre as suas receitas subiram 11,8% em termos homólogos, para os 113 milhões de dólares, quando a previsão apontava para apenas 106,15 milhões de dólares.

Já os títulos da Vivint Smart Home avançam ainda com mais expressão (+33,20% para 11,18 dólares), após o anúncio do acordo de aquisição da empresa de casas inteligentes por 2,8 mil milhões de dólares. O objetivo da energética NRG Energy, com esta operação, é agregar mais serviços de automação e segurança à sua oferta.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão no ‘verde’ com BCP a liderar ganhos

As principais bolsas europeias terminaram divididas, com o DAX (Alemanha) e o CAC 40 (França) a registarem valorizações de 0,01%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) perdeu 0,16% e o IBEX 35 (Espanha) depreciou 0,15%.

Wall Street arranca sessão com todos os índices no ‘verde’

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão com sinais positivos nos três principais índices, apesar da queda das ações da McDonald’s.

Gestora de fundos dos EUA alerta para iminência de uma catástrofe nos mercados

A crescente dívida mundial, que não para de crescer, pode acabar num desastre financeiro de proporções mais devastadoras que o crash de 1929. A dívida “é a maior bomba-relógio de sempre da história financeira”.
Comentários