Wall Street abre ‘no verde’ após semana de perdas

Nas empresas, destaque para as ações da Tesla, que sobem 4,24% para os 679.10 dólares no arranque da bolsa, depois do CEO da empresa, Elon Musk dizer que uma desaceleração económica provavelmente resultará num corte de 10% no número de funcionários assalariados.

Após o feriado do Juneteenth da passada segunda-feira, a Bolsa de Nova Iorque iniciou esta semana em território positivo, em linha com as congéneres europeias, recuperando de uma semana anterior marcada por receios de uma possível recessão nos EUA.

Pelas 14h30 (hora de Lisboa) o S&P 500 subiu 1.65%, para 3,735.55 pontos, o tecnológico Nasdaq valorizou 1,78%, para 10,990.92 pontos, e o industrial Dow Jones ascende 0,62% para 30,074.69 pontos.

Nas empresas, destaque para as ações da Tesla, que sobem 4,24% para os 679.10 dólares no arranque da bolsa, depois do CEO da empresa, Elon Musk dizer que uma desaceleração económica provavelmente resultará num corte de 10% no número de funcionários assalariados, priorizando a contratação de funcionários contratados à hora.

Mais uma vez, o empresário tem sido palco de controvérsia, com dois ex-funcionários da Tesla a avançar com um processo em tribunal contra a sua empresa, por considerarem que o despedimento coletivo do qual foram alvos violou a lei federal por incumprimento do tempo de aviso.

Foram mais de 500 os funcionários despedidos no estado norte-americano do Nevada, de acordo com o processo aberto no tribunal distrital dos EUA.

O analista de mercados da Millennium investment banking, Ramiro Loureiro, destacou também os ganhos da empresa Spirit Airlines perante a nova oferta da JetBlue e da Kellogg, que pretende dividir-se em três, indicando ainda que no plano macroeconómico chegou a indicação de que a atividade em Chicago se degradou em maio.

O preço do barril de petróleo está a subir, com o brent a avançar 1,13% para os 115,42 dólares.

No mercado cambial, o euro está a ter uma valorização face ao dólar, com uma subida de 0.39%, para os 1,0551 euros.

Relacionadas

Recessão nos EUA “não é inevitável”, defende secretária do Tesouro e antiga presidente da Fed

“Não penso que uma recessão seja inevitável”, disse Janet Yellen à televisão ABC News, citada pela agência France-Presse, admitindo, porém, que espera que “a economia desacelere” no quadro de uma transição para um “crescimento lento e estável”.

PremiumBCE com reunião de urgência e Fed com maior subida de juros desde 1994

O BCE procurou acalmar investidores, ainda que com uma semana de atraso. Juros nosEUA sobem 75 p.b., em linha com esperado.
Recomendadas

Wall Street encerra sessão com índices a ganhar mais de 2,50%

Os mercados financeiros têm estado agitados, mas recuperaram e encerraram a semana a negociar no verde.

Bruxelas quer emitir 50 mil milhões de euros em obrigações para financiar NextGenerationEU

Bruxelas anunciou o programa de financiamento para entre julho e dezembro.

Dos 100 milhões da Greenvolt à emergência de Lagarde. Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV, numa edição que contou com a análise de Rina Guerra, gestora de Ações e Ativos do Banco Carregosa.
Comentários