Wall Street abre no ‘vermelho’. Tesla e HP em terreno negativo

Em relação ao preço do barril de petróleo, em Nova Iorque, o WTI diminui 4,55% para os 103,57 dólares por barril, e o Brent desvaloriza 5,15% para os 107,79 dólares em Londres.

A bolsa de Nova Iorque abre a sessão desta terça-feira em terreno negativo. Os investidores estão preocupados e atentos a indicadores de recessão como o facto de o rendimento de dez anos estar agora a ser negociado próximo ao rendimento de dois anos.

Cerca das 14:40 (hora de Lisboa), o tecnológico Nasdaq cai 1,78% para 10.932,50 pontos, a par do financeiro S&P 500 que deprecia 1,78% para 3.755,50 pontos, seguidos do industrial Dow Jones que recua 1,64% para 30.586,77 pontos. Por sua vez, o Russel 2000 perde 2,10% para 1.692,85 pontos.

O cenário macroeconómico preocupa os investidores, embora o mercado dos EUA pareça estar recuperar após um primeiro semestre difícil. O rendimento de referência de 10 anos do Tesouro caiu nos últimos dias, mesmo com o Fed a comprometer-se com o combate agressivo à inflação, segundo a “CNBC”.

“Os mercados norte-americanos abriram em território negativo, com os principais índices a caírem mais de 1 %, prolongando o sentimento que se vive na Europa sob crescentes receios de recessão, levando a uma maior procura por ativos de refúgio por parte dos investidores, que provocam uma descida das yields”, indica o analista do Millennium BCP Ramiro Loureiro.

“O setor energético é dos mais penalizados. De destacar ainda o setor auto, após notícias de que os resultados do 2.ºtrimestre da Tesla e da Stellantis poderão ser impactados pelos lockdowns na China e pelos constrangimentos na indústria de chips”, acrescenta. A Tesla perde 3,95% em resultado da sua queda de entregas de 17,9% no segundo trimestre do ano.

Outra empresa em destaque na abertura desta sessão é a HP, que derrapa 4,77% para 30,35 euros depois de a Evercore ter rebaixado as suas ações para “in line” de “outperform”, numa altura de desaceleração da procura por computadores pessoais.

Ademais, a farmacêutica AstraZeneca cai 1,32% para 65,04 euros após ter anunciado um acordo para comprar a empresa de biotecnologia TeneoTwo em um acordo que pode valer até US$ 1,17 milhão se certos marcos forem alcançados.

Em relação ao preço do barril de petróleo, em Nova Iorque, o WTI diminui 4,55% para os 103,57 dólares por barril, e o Brent desvaloriza 5,15% para os 107,79 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro deprecia 1,52% face ao dólar norte-americano para os 1,0263 dólares. Assim, continua a tendência descendente da manhã, “atingindo o valor mais baixo das últimas 2 décadas, nos 1.0263, arrastando o preço do petróleo e das matérias-primas”, observa Ramiro Loureiro.

Já a libra esterlina desvaloriza 1,31% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,1946 dólares.

Recomendadas

Wall Street encerra no ‘verde’ impulsionado por dados da inflação e sector tecnológico

O Nasdaq apreciou 2,89% para 12.854,81 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 ganhou 2,10 % para 4.209,00 pontos e o industrial Dow Jones valorizou 1,63 % para 33.309,45 pontos. Por sua vez, o Russel 2000 avançou 2,91% para 1.964,55 pontos.

“Portugal devia focar-se numa maior aposta no sector privado”, defende analista da XTB

Apesar de Portugal ser a economia que mais cresce na Zona Euro mas o aumento das taxas de juro pode expor o país devido ao elevado nível de vida. Henrique Tomé, analista da corretora XTB, analisa o cenário de recessão na Zona Euro e nos EUA nesta “Fast Talk” da JE TV.

Bolsa de Lisboa contraria congéneres europeias e encerra no ‘vermelho’

Quanto ao mercado cambial, o euro está a ter uma valorização face ao dólar, com uma subida de 1,19%, para os 1,0332 dólares.
Comentários