Wall Street afunda 6% com perspetiva de segunda vaga da pandemia

As bolsas norte-americanas fecharam em forte queda devido à possibilidade de uma nova vaga de Covid-19. Donald Trump já disse que não voltará a ‘confinar’ a economia, mas os investidores não ficaram satisfeitos.

Reuters

O Dow Jones encerrou a afundar 6,90% (1.862 pontos) para 25.128,17 pontos, depois de ter chegado a perder mais de 7%. As suas 30 cotadas negociaram todas no vermelho. Já o Standard & Poor’s 500 recuou 5,89% para 3.002,10 pontos. O tecnológico Nasdaq Composite, perdeu 5,27% para 9.492,73 pontos.

Apenas seis cotadas do S&P 500 conseguiam negociar em alta a meio do dia: Kroger, Netflix, Dollar General, Kimberley-Clark (fabricante dos produtos Kleenex), Walmart e Target, considerados papéis de refúgio para os investidores.

As perspetivas mais sombrias da Reserva Federal norte-americana para a economia do país levaram os investidores a optar pela prudência, o que fez o mercado desabar. Em perspetiva pode estar uma nova vaga da pandemia – numa altura em que a primeira está longe de ter sido definitivamente controlada. Se vier a ocorrer, a economia afundará ainda mais, o que os investidores parecem considerar um risco sério.

Para mais, o presidente Donald Trump afirmou que não voltará a confinar a economia, o que pode resultar num problema de saúde pública de proporções difíceis de imaginar, mas que em todo o caso não será bom para o país.

Recorde-se que o recente otimismo, intensificado na passada sexta-feira pelos bons dados do mercado laboral, levou Wall Street a fortalecer os ganhos, mas a Fed veio arrefecer os ânimos e recentrou o problema dentro daquilo que parecems er os dados que é possível extrair do que emana da frente da saúde pública.

Hoje foi divulgado que na semana passada houve 1,5 milhões de novos pedidos de subsídio de desemprego. O banco central referiu igualmente que as taxas de juro deverão manter-se em torno de zero durante pelo menos o próximo ano.

O secretário norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin, corroborou Trump, dizendo que a economia não irá fechar portas, apesar da subida no número de infectados, mas não conseguiu sossegar os mercados. “Não podemos voltar a fechar a economia. Penso que aprendemos que se fecharmos a economia, vamos criar mais danos – e não apenas danos económicos, mas também noutras áreas”, disse Mnuchin à CNBC.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dow recua num dos melhores dias para o S&P e Nasdaq

Em dia de prestarem contas, algumas das maiores tecnológicas animaram o Nasdaq, que fechou a sessão a escalar 3,25%. Também o S&P 500 trepou para o nível mais alto dos últimos cinco meses. Já o índice industrial deixou a desejar aos investidores.

BCE alerta para risco de aumento do desemprego. Invasão da Ucrânia é ameaça para a zona euro

A invasão russa da Ucrânia a par da inflação e o apertar do cinto financeiro são três grandes riscos para a economia da zona euro. Acresce a isto a dinâmica de subida salarial, que pode gerar efeitos de segunda ordem e agravar o problema dos preços do lado da procura, alerta presidente do BCE.
Comentários