Wall Street arranca em baixo prolongando perdas de ontem

O Dow Jones perde 0,16% para 33.541,98 pontos, o S&P 500 cede 0,10% para 3.937,50 e o tecnológico Nasdaq recua 0,20% para 10.992,48 pontos.

A bolsa de Nova Iorque  abriu a sessão desta quarta-feira no ‘vermelho’ com os principais índices em queda.

No momento de abertura de Wall Street, o Dow Jones perde 0,16% para 33.541,98 pontos, o S&P 500 cede 0,10% para 3.937,50 e o tecnológico Nasdaq recua 0,20% para 10.992,48 pontos.

Sobre a abertura de mercados, o analista de mercados do Millenium BCP Ramiro Loureiro destaca que “a bolsa de Nova Iorque arranca em baixa, prolongando as perdas de ontem, num movimento em sintonia com o que se vive na maioria das congéneres europeias esta tarde e que veio da Ásia”. De recordar que já na segunda Wall Street abriu e fechou sessão a registar perdas.

“A revelação de que tanto as exportações como as importações chinesas recuaram mais que o esperado em novembro parece ter trazido novos receios económicos e isso faz-se sentir nos mercados de ações”, diz Ramiro Loureiro.

No campo empresarial, o analista salienta ainda “pela positiva a reação às contas da MongoDB, que contrasta com o tombo da Carvana, perante notas que referem a probabilidade de default da empresa”. Na abertura da bolsa de Nova Iorque, a Mongo DB avança 28,16% para 185,43 dólares e a Carvana desvaloriza 5,49% para 6,71 dólares.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dow recua num dos melhores dias para o S&P e Nasdaq

Em dia de prestarem contas, algumas das maiores tecnológicas animaram o Nasdaq, que fechou a sessão a escalar 3,25%. Também o S&P 500 trepou para o nível mais alto dos últimos cinco meses. Já o índice industrial deixou a desejar aos investidores.

BCE alerta para risco de aumento do desemprego. Invasão da Ucrânia é ameaça para a zona euro

A invasão russa da Ucrânia a par da inflação e o apertar do cinto financeiro são três grandes riscos para a economia da zona euro. Acresce a isto a dinâmica de subida salarial, que pode gerar efeitos de segunda ordem e agravar o problema dos preços do lado da procura, alerta presidente do BCE.
Comentários