Wall Street no verde com recuperação das tecnológicas motivada pela inflação

Os números de inflação, que não mostraram nenhuma surpresa indesejada pelos mercados, deram força à recuperação dos títulos tecnológicos que vinham caindo há algumas sessões, empurrando o Nasdaq para ganhos significativos no arranque da sessão.

Wall Street arrancou esta quarta-feira no verde, com o sector tecnológico a prosseguir a recuperação que tem seguido a sua queda recente, dadas as preocupações com um aumento de inflação na economia norte-americana que, para já, não se parece confirmar.

O Dow Jones subia 1,0%, ou 307 pontos, chegando aos 32.140 perto do arranque da sessão. O S&P crescia 0,8%, mas o melhor arranque registou-se mesmo no Nasdaq, onde o peso dos títulos tecnológicos é maior. O índice ia somando mais 1,2% às 14h40, hora de Lisboa.

Este início de sessão registou-se apesar da preocupação com a subida das taxas de juro da dívida soberana norte-americana, face a um esperado aumento da inflação e um aquecimento da economia. No entanto, os dados conhecidos esta quarta-feira mostram uma variação de preços menos acentuada do que o esperado, com o índice de preços no consumidor ‘core‘, que exclui os preços da energia, alimentação, álcool e tabaco, a subir 0,1%.

Já a taxa de juro da dívida soberana manteve-se relativamente estável, com o leilão da manhã desta quarta-feira a registar 1,54% nos títulos a 10 anos, depois dos máximos da semana anterior.

Títulos como a Tesla ou a Zoom recuperaram algum do terreno perdido nas últimas sessões, com crescimentos de 2% e 3%, respetivamente, no início da sessão. Por outro lado, o ataque de investidores a retalho coordenados voltou em força, com títulos como a GameStop a voltarem a uma volatilidade fora do comum. No início da sessão desta quarta-feira, as ações desta empresa iam subindo 18%, com a AMC, outro dos títulos mais visados pelas vendas a descoberto, a valorizar 13,5%.

Recomendadas

PSI permanece no ‘negativo’ com BCP a tombar mais de 5%

Na última sessão da semana, a bolsa lisboeta e os principais índices europeus negoceiam, a meio da sessão, em terreno negativo.

Depois do Credit Suisse, pressão nos mercados vira-se para o Deutsche Bank. Ações caem 12%

O Deutsche Bank está sob forte pressão nos mercados financeiros esta sexta-feira, com as ações a tombarem 12% e o custo dos contratos de seguro contra incumprimento (CDS) do banco a saltar para máximos de quatro anos. Alerta foi dado pela Reuters.

BCP mantém pressão cerrada à bolsa. Lucros da Altri e Greenvolt não convencem investidores

O BCP é a cotada que está a colocar mais pressão na Bolsa de Lisboa, perdendo mais de 3% na abertura. Já os lucros apresentados pela Greenvolt (+114%) e pela Altri (+23%) não convenceram os analistas e as empresas recuam nas negociações.
Comentários