Wall Street arranca semana no verde à espera da inflação de setembro

Com nova leitura da inflação à porta e apenas uma semana antes da reunião de setembro da Reserva Federal, espera-se uma semana de volatilidade à medida que os investidores buscam mais sinais de uma subida de 50 ou 75 pontos base nos juros diretores.

Os mercados norte-americanos arrancaram a semana no verde, com os três principais índices de Wall Street a subirem esta segunda-feira, na antecâmara de mais uma leitura da inflação na maior economia do mundo.

O Dow Jones começou a subir mais de 140 pontos, ou 0,45%, até aos 32.297,66, enquanto o S&P 500 ia ganhando 0,71% até aos 4.096,31 pontos. O Nasdaq era o principal ganhador da sessão dez minutos depois do seu início, avançando 0,77% até aos 12.205,57 pontos.

A semana será dominada pela leitura da inflação de agosto, calendarizada para esta terça-feira e divulgada oito dias antes do anúncio da decisão da Reserva Federal quanto às taxas diretoras para setembro. As expectativas do mercado têm-se dividido entre mais uma subida de 75 pontos base (p.b.) ou um aumento menos expressivo, voltando aos 50 p.b., e os dados dos preços em agosto poderão ter um impacto determinante na decisão.

Espera-se, assim, alguma volatilidade nos mercados, que deverão procurar sinais quanto ao rumo da política monetária nos EUA nas próximas sessões.

Destaque para subidas antes do arranque no sector fiinanceiro, onde JPMorgan Chase e Bank of America subiram 1,3% e 1%, respetivamente. Já as tecnológicas vão recuperando parte do terreno perdido recentemente, com a Apple a liderar ao subir mais de 2%.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão a perder 1,49% com apenas o título da Galp no verde

A puxar o PSI para baixo estiveram os títulos da peso-pesado do retalho Jerónimo Martins, dona da cadeia de supermercados Pingo Doce, que deslizaram 3,52%.

Bancos envolvidos na aquisição do Twitter por Elon Musk poderão perder milhões

Dos 44 mil milhões que Musk terá de pagar pela compra da rede social, 12,5 mil milhões serão garantidos por empréstimos bancários. Exemplos recentes e cenário económico sombrio pesam nas projeções da banca envolvida.

OPEP+ decide baixar a sua oferta de petróleo em dois milhões de barris diários

A redução da produção de petróleo anunciada esta quarta-feira corresponde ao maior corte na oferta desde maio de 2020. Decisão deverá irritar administração Biden e levar a resposta dos EUA, diz nota de mercado do Citi.
Comentários