Wall Street com mais um dia negro

As eleições passam à margem das paredes do mercado mobiliário, mas não a perspectiva de que o mau desempenho da economia vai levar a Reserva Federal a manter pressão sobre as taxas de juro.

Indiferente ao dia seguinte às eleições intercalares – o mercado já perdeu o interesse no mito urbano de que os republicanos são mais ‘amigos’ de Wall Street que os democratas – os indicadores mais importantes da praça norte-americana fecharam com acentuadas quedas.

O Dow Jones segue nos 32.571,19 pontos, menos 589,64 pontos ou menos 1,78%; o Nasdaq cai para os 10.378,70 pontos, menos 237,50 pontos ou menos 2,24%; e o S&P 500 está nos 3.754,98 pontos, menos 73,13 pontos ou menos 1,91%.

“Não se podem ver grandes movimentos nos mercados em resposta aos primeiros resultados previstos, uma vez que a divisão do poder no Congresso é um resultado que se esperava antes das eleições”, refere um analista.

Mais importante para o facto de o mercado não ter conseguido manter-se alta depois de três dias seguidos positivos, é o facto de Wall Street estar à espera de conhecer os próximos dados económicos. Que não devem ser famosos, antecipam os analistas, pelo que a Reserva Federal terá mais um bom motivo para manter forte pressão sobre as taxas de juro.

Para ajudar ao sentimento negativo, a FedEx, empresa de correio e logística, alertou para a deterioração das perspetivas da procura. Mike Lenz, CFO da empresa, disse que a FedEx projeta uma menor procura num futuro previsível e acrescentou que as tendências da procura começaram a inverter-se mais rapidamente do que o esperado devido à falta de negócio.

Um aviso sobre a deterioração das perspectivas de procura é um reflexo de uma deterioração não só dos negócios da empresa, mas também da economia como um todo. Nesse quadro, a FedEx é vista como um barómetro a não perder de vista.

Mas as eleições não passaram de todo ao lado do mercado, pelo menos na ótica dos analistas. “O que era realmente mais esperado no mercado era uma onda vermelha”, disse Jay Hatfield, da Infrastructure Capital Management, citado pela agência Reuters. “Acho que estávamos numa situação única em que quanto mais os republicanos ganhassem, melhor seria para o mercado. Pelo menos haveria algumas ações em forte alta, como as de defesa e energia”. Mas o mercado não respondeu a essa alternativa.

Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários