Wall Street em alta perante abrandamento da guerra comercial

O dado económico mais importante da sessão norte-americana é o da inflação: o IPC dos Estados Unidos manteve-se inalterado em novembro, depois de ter subido 0,3% no mês anterior em termos nominais. Em causa está a descida do preço dos combustíveis.

Brendan McDermid / Reuters

Os mercados financeiros norte-americanos abriram a sessão desta quarta-feira, dia 12 de dezembro, em terreno positivo. A bolsa de Nova Iorque, à semelhança das praças europeias e asiáticas, está a negociar no ‘verde’, beneficiando das tréguas dadas pela China à guerra comercial.

“O otimismo impera em Nova-Iorque perante as notas positivas quanto às conversações no âmbito da guerra comercial, com Trump a mostrar-se disponível para chegar a um acordo. Na Europa, o dia segue bastante animado e em movimento ascendente, tendo ganho força com as notícias de que o Governo italiano deverá apresentar um défice de 2% do PIB a Bruxelas”, refere, por sua vez, Ramiro Loureiro.

O trader do Millennium bcp nota ainda, em comunicado, “os rumores que dão conta que o Softbank pode desfazer-se de posição na Nvidia, bem como o write-down efetuado pela Verizon relacionado com compra da AOL e os ativos da Yahoo!”. “Temos ainda a nota de que a Apple pode deslocalizar a produção dos iPhones”, sublinha, na mesma nota.

A marcar também as negociações na praça nova-iorquina está o Índice de Preços no Consumidor dos Estados Unidos, que se manteve inalterado em novembro, depois de ter subido 0,3% no mês anterior. O acréscimo de 2,2% em termos homólogos e de 0,2% em termos nominais está em linha com as previsões dos analistas contactados pela agência Reuters. Em causa está a descida do preço dos combustíveis.

“Donald Trump afirmou na sua rede social de eleição que «as conversações com a China estão a ser bastante produtivas e que haverá anúncios importantes brevemente», o que devolveu alguma confiança aos investidores, depois de se ter dado o primeiro passo rumo a um acordo na última reunião do G20”, lembra David Silva, affiliate manager da XTB.

Entre os principais índices bolsistas norte-americanos, o industrial Dow Jones avança 1,19%, para os 24.659,92 pontos, e acompanhando estes números em alta, o alargado S&P 500 avança 1,24%, para os 2.669,52 pontos. Na mesma linha, o tecnológico Nasdaq cresce 1,27%, para os 7.120,82 pontos. Já o Russell 2000 valoriza 0,95%, para os 1.456,05 pontos.

A cotação do barril de Brent avança 1,30%, para 60,98 dólares, enquanto a cotação do crude WTI soma 1,41%, para 52,38 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, nota para a apreciação de 0,45% do euro face ao dólar (1,1368) e para a valorização de 1,13% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,2630).

Notícia atualizada às 15h17

Relacionadas

Wall Street fecha mista em sessão volátil

O Dow Jones caiu -0,22% para fechar nos 24.370,2 pontos; o Nasdaq subiu 0,16% para 7.031,8 pontos e o S&P 500 desceu 0,04% para 2.636,8 pontos, numa sessão que foi marcada pela volatilidade. No caso do Dow Jones, o índice chegou a perder 24.000 pontos nos piores momentos da sessão, mas finalmente fechou positivo e acima de 24.300 pontos.

PSI 20 segue ‘verde’ das praças europeias. Altri e F. Ramada lideram ganhos

O principal índice bolsista português soma 0,68%, para 4.810,50 pontos, ao início da tarde desta quarta-feira.
Recomendadas

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.

Euro e libra recuam para mínimos de décadas face ao dólar

O euro e a libra terminaram hoje a semana a recuar para mínimos de décadas face ao dólar, com as moedas europeias pressionadas por receios de recessão e o dólar a beneficiar do estatuto de ativo seguro.
Comentários