Wall Street encerra no ‘verde’ impulsionado por dados da inflação e sector tecnológico

O Nasdaq apreciou 2,89% para 12.854,81 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 ganhou 2,10 % para 4.209,00 pontos e o industrial Dow Jones valorizou 1,63 % para 33.309,45 pontos. Por sua vez, o Russel 2000 avançou 2,91% para 1.964,55 pontos.

A bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão desta quarta-feira em terreno positivo em todos os principais índices em resposta positiva aos dados da inflação abaixo do esperado. Nasdaq salta quase 3% em dia francamente positivo para o sector tecnológico.

O Nasdaq apreciou 2,89% para 12.854,81 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 ganhou 2,10 % para 4.209,00 pontos e o industrial Dow Jones valorizou 1,63 % para 33.309,45 pontos. Por sua vez, o Russel 2000 avançou 2,91% para 1.964,55 pontos.

“Embora os obstáculos permaneçam para novos ganhos de mercado, os investidores disseram que o número do IPC mais baixo do que o esperado provavelmente moderará as expectativas de quão agressivamente o Federal Reserve precisará aumentar as taxas de juros este ano para controlar a inflação, aumentando a atratividade de ações e títulos”, destacam os analistas consultados pela “Reuters”.

Quanto às empresas que tiveram algumas das maiores movimentações na sessão, destaque para as ações da Trade Desk, que subiram 36,22% depois de a empresa de publicidade digital ter divulgado uma receita trimestral acima do esperado e ter dado uma previsão otimista para o trimestre atual. A empresa disse que o seu desempenho lhe dá confiança de que pode ganhar participação de mercado em qualquer ambiente económico, segundo a “CNBC”.

O Twitter avançou 2,75% após a notícia de que Elon Musk vendeu quase sete mil milhões de dólares em ações da Tesla (que avançou 3,83%) nos últimos dias numa altura em que não se sabe se o tribunal irá forçar Musk, em outubro, a cumprir o acordo de aquisição de 44 mil milhões.

As ações da operadora de serviços de criptomoedas Coinbase subiram mais de 4% devido a uma maior procura pela moeda e apesar da empresa relatar resultados piores do que o esperado na  terça-feira e um declínio nos volumes de negócio no trimestre mais recente, ressalva a “CNBC”.

Recomendadas

Fed, BCE, reviravolta no Reino Unido, eleições no Brasil e saída do CEO da Galp. Veja o “Mercados em Ação”

A decisão da Fed e a próxima reunião do BCE. A queda da libra e as eleições no Brasil, mais a saída de Andy Brown da Galp. André Cabrita-Mendes, subdiretor do JE, e Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, analisam estes temas em conjunto com Nuno Sousa Pereira da Sixty Degrees.

Reino Unido. Mercados valorizam depois de Governo recuar no corte fiscal

O índice FTSE 100 segue a valorizar mais de 1,5%.

Portugal quer sair do grupo de países mais endividados da UE em 2024

Secretário de Estado do Tesouro assume ambição e revela que país vai pagar este ano a dívida extra que contraiu durante a pandemia.
Comentários