Wall Street encerra no ‘vermelho’ contrariando ‘verde’ da Europa

O petróleo está a ser negociado em alta. O brent valoriza 0,74% para os 76,71 dólares e o crude sobe 0,10% para os 71,53 dólares.

Wall Street encerrou no ‘vermelho’. O Dow Jones quebrou 0,91%, o S&P 500 desceu 0,74% e o Nasdaq desvalorizou 0,70%.

A pressionar este fecho no ‘vermelho’ em Wall Street estão fatores como a inflação, receios de uma recessão, e também a reunião da Reserva Federal norte-americana (Fed) da próxima semana, de acordo com analistas.

O fecho de Wall Street acabou por seguir o início da sessão que tinha sido no ‘vermelho’. A research do Millennium salientava que a abertura de Wall Street tinha sido “condicionada pela revelação de que o abrandamento do ritmo de subida de preços no produtor em novembro foi menos expressivo do que se estaria à espera, trazendo receios de que as pressões inflacionistas continuem a obrigar a uma política monetária mais restritiva da Fed”.

Os principais índices europeus tinham fechado no ‘verde’. O DAX (Alemanha) valorizou 0,74%, o FTSE 100 (Reino Unido) subiu 0,06%, o CAC 40 (França) subiu 0,46%, e o IBEX 35 (Espanha) ficou inalterado.

O AEX (Países Baixos) valorizou 0,60% e o FTSE MIB (Itália) subiu 0,29%.

Já a bolsa de Lisboa valorizou 0,11%.

O petróleo está a ser negociado em alta. O brent valoriza 0,74% para os 76,71 dólares e o crude sobe 0,10% para os 71,53 dólares.

Atualizado às 21h29

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão no ‘verde’ com BCP a liderar ganhos

As principais bolsas europeias terminaram divididas, com o DAX (Alemanha) e o CAC 40 (França) a registarem valorizações de 0,01%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) perdeu 0,16% e o IBEX 35 (Espanha) depreciou 0,15%.

Wall Street arranca sessão com todos os índices no ‘verde’

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão com sinais positivos nos três principais índices, apesar da queda das ações da McDonald’s.

Gestora de fundos dos EUA alerta para iminência de uma catástrofe nos mercados

A crescente dívida mundial, que não para de crescer, pode acabar num desastre financeiro de proporções mais devastadoras que o crash de 1929. A dívida “é a maior bomba-relógio de sempre da história financeira”.
Comentários