Wall Street: EUA em recessão? Finalmente uma boa notícia!

Os investidores estão convencidos que a recessão técnica anunciada para os Estados Unidos no final do segundo trimestre vai fazer com que a Reserva Federal pense melhor a sua política de aumento das taxas de juro. Os principais índices fecharam a subir.

DR

A economia norte-americana voltou a recuar, desta vez cerca de 0,9%, durante o segundo trimestre, arrastada principalmente por inventários e investimento empresarial. Esta é a segunda contração trimestral consecutiva, depois dos primeiros dados terem apresentado uma contração de 1,6% nos primeiros três meses do ano. A maioria dos analistas esperava um crescimento de 0,5%.

‘So what?’ Os principais índices do mercado de capitais dos Estados Unidos fecharam em alta.: o Dow Jones segue nos 32.530,85 pontos, mais 333,26 pontos ou mais 1,04%; o Nasdaq está nos 12.147,41 pontos, mais 114,99 pontos ou mais 0,96%; e o S&P 500 está nos 4.069,72 pontos, mais 46,11 pontos, ou mais 1,15%.

O discurso do presidente da Reserva Federal (Fed), após anunciar mais uma subida de 75 pontos base na taxa de juro, motivou um poderoso rally em Wall Street no dia de ontem, quarta-feira. Jerome Powell sinalizou que o banco central deverá abrandar o agravamento da política monetária e que as decisões nas próximas reuniões serão adotadas tendo em conta a evolução dos dados económicos.

Portanto: os dados económicos são maus, o país entrou em recessão técnica e por isso ou a Fed contrai a sua vontade de combater a alta da inflação com o aumento das taxas de referência e a recessão deixa de ser técnica para ser um problema grave, ou insiste em remédios violentos contra a inflação e arrisca matar o doente. Segundo os analistas, os investidores do mercado de capitais terão considerado que a primeira hipótese é a mais certa e nem a recessão técnica foi suficiente para enviar temores ao mercado mobiliário. Antes pelo contrário.

Os investidores esperam agora que o pico dos juros da Fed seja atingido em 3,3%, pelo que o ciclo de subida de juros pode estar a chegar ao fim.

O declínio nos rendimentos pode sugerir “que os mercados acham que a Fed terá que reverter e baixar as taxas em algum momento, talvez nos próximos 12 meses”, disse Mona Mahajan, da consultora Edward Jones, citado pela agência reuters. “Isso implica que o ritmo de aperto se tornará mais gradual daqui para frente”.

Além disso, a previsão de crescimento para os lucros do segundo trimestre aumentou esta semana, já que mais empresas do S&P 500 divulgaram resultados que superaram as expectativas dos analistas.

“Mais investidores estão a entrar agora porque acham que pelo menos não haverá grandes surpresas durante o verão”, disse Alan Lancz, da Alan B. Lancz & Associates, empresa de consultoria de investimentos, igualmente citada pela Reuters.

Recomendadas

Wall Street fecha semana em alta com semicondutores a darem ímpeto

O sector tecnológico esteve em destaque, beneficiando da aposta dos investidores na recuperação dos fabricantes de semicondutores Nvidia e Micron e dos dados da inflação de julho, que afastam subidas mais fortes das taxas de juro em setembro.

Bolsa de Lisboa encerra sessão a perder mais de 1%

O BCP e a Galp estão a liderar as perdas na bolsa de Lisboa. Por outro lado a Greenvolt é a cotada com mais ganhos.

Wall Street abre no ‘verde’ em linha com congéneres europeias

O Nadaq sobe agora 0,54% para 12.848,50 pontos, o S&P 500 avança 0,51% para 12.848,50 pontos e o Dow Jones valoriza 0,47% para 33.492,84 pontos.
Comentários