Wall Street fecha em alta apesar de Itália

Os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq fecharam a subir. O Dow Jones atingiu mais um máximo histórico. O petróleo WTI corrigiu, caindo 1,22%.

Wall Street indiferente ao referendo italiano fechou com subidas. O Dow Jones fechou a ganhar 0,24% para 19.216,24 pontos e chega a máximos históricos. As acções da Goldman Sachs estiveram a liderar os ganhos do índice (+2,37%).

O S&P 500 subiu 0,58% para 2.204,71 pontos. O Nasdaq liderou destacado os ganhos ao subir 1,01% para 5.308,89 pontos.

Hoje, segunda-feira, foi revelado o índice de gestores de compras (PMI) dos serviços nos EUA, referente a novembro.

Os membros (Dudley, Evans e Bullard) da Reserva Federal norte-americana (Fed) discursaram à tarde e advertiram que as políticas proclamadas pelo presidente eleito, no seu discurso de campanha eleitoral obrigam o Comité Federal do Mercado Aberto (FOMC) da Fed a tornar mais dura a política monetária norte-americana. A política fiscal será mais expansiva e isso poderá levar à subida dos juros.

Contrariamente ao que seria de esperar a bolsa dos EUA não foi influenciada pelo resultado do referendo italiano.

A rejeição em Itália a reformas políticas e a demissão de Renzi podem conduzir a eleições antecipadas ou outros cenários capazes de assustar os investidores já confrontados com um ano tumultuoso na Europa. Contudo, os mercados podem ter já descontadas futuras más notícias e o BCE está pronto a atuar, disse o analista da AllianzGI.

Já a Schroeders salienta que os resultados do referendo italiano, realizado ontem, não deixaram outra opção para o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi, senão apresentar a sua demissão. Para Azad Zangana, Senior European Economist & Strategist da Schroeders, para além desse passo óbvio de Renzi, as consequências são o aumento das pressões sobre o BCE.

Apesar dos resultados desfavoráveis ao primeiro-ministro demissionário, é opinião generalizada que é necessária uma reforma dos sistema politico italiano em prol de uma maior agilidade e eficácia de decisões de fundo, contudo, o presidente, Sergio Mattarella, está mais inclinado a fazer consultas para indigitar um novo primeiro-ministro, do que em convocar eleições antecipadas. Com o sistema bancário em cheque, pressões acrescidas sobre o BCE no sentido de continuar com medidas de suporte, as perspetivas a prazo não são favoráveis aos italianos, diz a Schroeder.

O petróleo fechou a cair à hora de fecho de Wall Street. O petróleo West Texas caiu 1,22% para 51,05 dólares.

Recomendadas

BCP cai 5% e arrasta Bolsa de Lisboa para terreno negativo numa Europa mista

“O índice nacional esteve pressionado pela queda de 5% do BCP, numa sessão onde o setor Bancário demonstrou a pior performance na Europa”, escreveu o analista do Millennium BCP, Ramiro Loureiro, na sua análise de fecho de mercados.

CMVM publica cinco decisões de contraordenação, incluindo a coima de 75 mil euros à Orey Antunes

Na base das decisões da CMVM estão três processos por violação de deveres de atuação dos auditores. O processo contra a Orey Antunes por não ter divulgado os documentos de prestação de contas anuais e um processo por violação de deveres dos intermediários financeiros.

Wall Street abre a terceira sessão da semana com perdas ligeiras

A Lyft, concorrente da Uber, é um dos títulos em destaque, depois de anunciar que congelou todas as contratações nos Estados Unidos até ao final do ano, no âmbito de um corte de custos para controlar o impacto da inflação. As ações da plataforma de transporte reagem pela positiva.
Comentários