Wall Street fecha em baixa, com tecnológico a desvalorizar 1,43%

A nível empresarial, destaque para a queda da Microsoft, que ficou na liderança nas perdas das grandes empresas do setor tecnológico. A empresa caiu mais de 2%, numa altura em que as yields do Tesouro ameaçam aumentar e numa altura em que é esperado aumentos mais agressivos das taxas da Reserva Federal.

Wall Street | Spencer Platt/Getty Images

Os principais índices bolsistas norte-americanos encerraram a sessão de quinta-feira a tombar para o ‘vermelho’, num dia pressionado pela queda das ações nos sectores energético e tecnológico.

O tecnológico Nasdaq fechou a desvalorizar 1,43% para os 11.552,36 pontos, o industrial Dow Jones fechou a subir 0,61% para os 31.773,80 pontos, enquanto o empresarial S&P 500 recuou 1,14% para os 3.900,92 pontos.

A nível empresarial, destaque para a queda da Microsoft, que ficou na liderança nas perdas das grandes empresas do setor tecnológico. A empresa caiu mais de 2%, numa altura em que as yields do Tesouro ameaçam aumentar e numa altura em que é esperado aumentos mais agressivos das taxas da Reserva Federal.

No mercado petrolífero, o ouro negro está a ser negociado em baixa. O preço do brent está a recuar 3,49% para os 90,82 dólares, e o crude desvaloriza 379,88% para os 85,13 dólares.

No mercado cambial, o euro está a ter uma valorização de 0,20% face ao dólar, para os 0,9997 dólares.

Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários