Wall Street fecha em queda acentuada com taxa de desemprego nos 3,7%

A NYSE fecha com a maior queda desde março. Os novos dados económicos desiludiram os investidores. O petróleo sobe com o acordo da OPEP.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque fechou hoje com quedas superiores a 2% e uma volatilidade acentuada, depois de ser conhecido que a taxa de desemprego nos Estados Unidos manteve-se em 3,7% em novembro, pelo terceiro mês consecutivo, com uma criação de emprego mais fraca do que o previsto, indicou hoje o Departamento do Trabalho.

O Dow Jones fechou a cair 2,11% para 24.421,4 pontos; o S&P 500 perdeu 2,08% para 2.639,9 pontos e o Nasdaq tombou 2,92% para fechar nos 6.978,6 pontos.

No mês passado, foram criados 155 mil postos de trabalho, quando em outubro tinham surgido 237 mil (uma revisão em baixa). Os dados relativos a novembro ficaram abaixo do esperado, já que os analistas tinham previsto a criação de 185 mil empregos.

Os salários registaram um aumento de 0,2% em relação a outubro e no período de um ano o crescimento salarial foi de 3,1%, um ritmo bastante superior ao da inflação.

Hoje a Apple caiu 3,57% depois que o Morgan Stanley se juntou ao resto dos analistas que cortaram o price-target das ações nas últimas semanas. No caso do banco dos EUA, reduziu seu preço alvo de 253 dólares para 236 dólares, devido ao fato de prever uma debilidade mais pronunciada nas vendas de iPhones na China.

Os titulos que mais caíram no Dow Jones destacam-se os da Intel (-4,40%), da Cisco Systems (-4,03%), da Microsoft (-4%) e da DowDuPont (-3,86%).

No Nasdaq, a Nvidia deslizou 6,75%, seguida pela Netflix (-6,27%), Amazon (-4,12%) e Alphabet (-2,92%).

Também se destaca a aquisição de 45% do grupo canadense Cronos, produtor de cannabis, pelo gigante do tabaco Altria, dona da Philip Morris, por 1.600 milhões de dólares.

O petróleo subiu com o acordo OPEP. Os futuros do petróleo bruto WTI sobem 1,88% para 52,46 dólares. O Brent valorizou 2,51% para 61,57 dólares.

A OPEP e os países aliados, liderados pela Rússia, chegaram a um acordo esta sexta-feira para reduzir a produção de petróleo em 1,2 milhões de barril por dia, a partir de janeiro do próximo ano.

Apesar da pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, para reduzir o preço do petróleo, a OPEP irá diminuir a produção em 800 mil barris por dia, enquanto o conjunto de países conhecidos como OPEP+ concordou em cortar a produção em 400 mil barris de cortes.

“A Conferência decidiu ajustar a produção global da OPEP em 0,8 mil barris/dia em relação aos níveis de outubro de 2018, com entrada em vigor a partir de janeiro de 2019, por um período inicial de seis meses, com uma revisão em abril de 2019”, anunciou a OPEP, em comunicado divulgado após a conclusão da reunião de dois dias e cujo planeamento estratégico do próximo ano estava na agenda.

Relacionadas

OPEP chega a acordo para reduzir produção em 1,2 milhões por dia

Apesar da pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, para reduzir o preço do petróleo, a OPEP irá diminuir a produção em 800 mil barris por dia, enquanto o conjunto de países conhecidos como OPEP+ concordou em cortar a produção em 400 mil barris de cortes.

Trump nomeia William Barr para substituir Jeff Sessions como procurador-geral

Donald Trump aponta o dedo e nomeia o antigo procurador-geral de George W. Bush para ocupar o mesmo cargo, à frente do seu Departamento da Justiça.
Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Os EUA divulgam os dados da criação de emprego em novembro. O mercado laboral norte-americano continua a surpreender pela positiva e a dar sinais de vitalidade face à forte subida de juros iniciada este ano pela Fed, embora comecem a surgir algumas dúvidas quanto à sua resistência.

Wall Street fecha mista com Nasdaq no ‘verde’ depois da mensagem de Powell

Recorde-se que o presidente da Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, antecipou subidas das taxas de juros mais moderadas nos Estados Unidos a partir de dezembro.

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.
Comentários