Wall Street fecha em terreno misto

O efeito Omicron, que segurou os mercados mobiliários norte-americanos ao longo da última semana, parece ter chegado ao fim. Os investidores regressam assim às suas preocupações com a inflação e com a resposta da Reserva Federal.

Os principais índices de ações dos Estados Unidos caíram esta quinta-feira após três dias consecutivos de ganhos alavancados nas notícias positivas sobre a variante Omicron da Covid-19. As atenções dos investidores viraram-se para a evolução da economia interna, nomeadamente no que tem a ver com os dados da inflação e a forma como a Reserva Federak vai atuar sobre ela.

Ações importantes como a Microsoft, Tesla puxaram o mercado para baixo e os índices só não caíram mais porque a Apple e a Meta Platforms registaram movimento contrário.

As ações da fabricante do iPhone subiram e colocaram a empresa a valer 3 biliões de dólares, o que a colocaria na posição de ser a a quinta maior economia do mundo depois da Alemanha. “À medida que a Apple fica cada vez maior, é um lembrete do domínio dessas ações… que pode dificultar as coisas para os investidores que não estão realmente a procurar esses papéis”, disse David Keller, da StockCharts, citado pela agência Reuters.

Os mercados vacilaram desde o final de novembro, quando a última variante foi descoberta, com investidores preocupados com a possibilidade de a Omicron interromper uma recuperação global num momento em que o Fed sinalizou uma redução mais rápida do estímulo monetário para combater o aumento da inflação.

Todos os olhos estão agora voltados para os dados do índice de preços ao consumidor, com previsões a serem conhecidas nesta sexta-feira. Os dados podem fortalecer a possibilidade de um aperto agressivo da política monetária antes da reunião do banco central na próxima semana.

Segundo a Reuters, os economistas preveem que o Fed aumentará as taxas em 25 pontos-base para 0,25-0,50% no terceiro trimestre do ano que vem. No entanto, a maioria deles disse que há o risco de esse aperto chegar mais cedo.

Entretanto, outros dados mostraram na semana passada que os pedidos de subsídio de desemprego caíram 43mil, para 184 mil, o nível mais baixo em mais de 52 anos, o deu algum conforto aos investidores aoo longo da semana – conforto esse que se esvaziou esta quinta-feira.

“Este é um sinal alto e claro de que estamos a avançar em direção a uma recuperação económica total, apesar de alguns solavancos ao longo do caminho”, disse Mike Loewengart, E Trade Financial, também citado pela Reuters.

os principais índices seguem no seguinte registo: o índice S&P 500 está nos 4.673,96 pontos, uma descida de 0,58%; o Nasdaq desceu para os 15.531,11 pontos, caindo 1,62%; e apenas o Dow Jones Industrial Average está em terreno positivo, atingindo 35.819,49 pontos, mais 0,18%.

Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários