Wall Street fecha mista no primeiro de Dezembro

À hora de fecho de Wall Street, o barril de Brent, referência na Europa, subia 3,63% para 53,72 dólares, enquanto o barril do crude West Texas, referência nos Estados Unidos, avançava 2,99% para 50,92 dólares.

REUTERS/Lucas Jackson

A primeira sessão do último mês do ano de 2016, Wall Street fechou mista com o Dow Jones nos 19.191,93 pontos (+0,36%); o S&P 500 a cair para 2.191,08 pontos (-0,35%); e o Nasdaq a liderar as quedas (-1,36%) para 5.251,1 pontos.

A banca esteve em alta. Os títulos do Goldman Sachs tiveram o melhor comportamento do Dow Jones com uma subida de 3,34% até aos 226,61 dólares. Por outro lado, o S&P 500 caiu 0,35% devido, principalmente, às acções tecnológicas, que caíram cerca de 2,2%, ao passo que as do sector da energia e do sector financeiro subiram 0,8% e 1,5% respectivamente.
O índice Nasdaq caiu devido à Apple (-0,95%) e às denominadas acções do FANG (Facebook (-2,8%), Amazon (-0,92%), Netflix e Google(-1,32%)).

Noutros mercados, o petróleo continua com o seu rally esta quinta-feira depois de disparar 9% devido ao acordo que, finalmente, alcançaram os membros da OPEP.
À hora de fecho de Wall Street, o barril de Brent, referência na Europa, subia 3,63% para 53,72 dólares, enquanto o barril do crude West Texas, referência nos Estados Unidos, avançava 2,99% para 50,92 dólares.
A Chevron fechou a subir 1,56%.

Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários