Wall Street fecha na linha de água com queda da Disney e tecnológicas

Depois das fortes valorizações desde o início da semana, os principais índices norte-americanos corrigem.

Reuters

Os investidores parecem começar a refrear o entusiasmo em relação à lei fiscal nos Estados Unidos e começar a digerir o possível impacto do corte nos impostos para as empresas nos resultados. Wall Street fechou esta quarta-feira na linha de água, pressionado pelo setor tecnológico e pela queda de 2,74% das ações da Disney.

O índice industrial Dow Jones perdeu 0,45% para 24.180,64 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 desceu 0,37% para 2.629,58 pontos e o tecnológico recuou 0,19% para 6.762,21 pontos.

No mercado cambial, o dólar segue a valorizar face às divisas europeia e japonesa. A moeda norte-americana aprecia-se 0.34% para 0,845 euros e 0.12% para 112,55 ienes. Já contra a moeda britânica, o dólar deprecia-se 0,27% para 0,743 libras.

No sábado passado, o Senado aprovou a sua versão da lei fiscal com uma votação renhida (51 contra 49 votos). Apesar de não ser a versão a original apresentada por Donald Trump, o facto de o Senado norte-americano ter aprovado uma versão da lei fiscal, que implica um corte nos impostos para as empresas, levou a fortes valorizações nas ações no início da semana.

O Senado e a Casa dos Representantes vão agora ter de chegar a consenso entre as duas versões apresentadas, antes de a proposta chegar a lei.

Relacionadas

Jerome Powell é oficialmente o próximo líder da Reserva Federal dos EUA

A aprovação oficial pelo Senado era o passo que faltava para o advogado de 64 anos se tornar no sucessor de Janet Yellen. É a primeira vez em quase 40 anos que não é um economista a ocupar o cargo.

Défice comercial norte-americano aumentou 8,6% em outubro

Os aumentos das importações a partir da China e do México, bem como a manutenção do valor das exportações, levaram a um crescimento do défice comercial para 48,7 mil milhões de dólares.

Reforma dos impostos continua a impulsionar Wall Street

No sábado passado, o Senado aprovou a sua versão da lei fiscal. Apesar de não ser a versão a original de Trump, a aprovação está a impulsionar os mercados nos EUA.
Recomendadas

Euribor sobem a três e seis meses para novos máximos de quase 14 anos

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, avançou hoje, para 2,442%, mais 0,006 pontos, um novo máximo desde janeiro de 2009.

PSI inicia sessão no ‘verde’ em linha com generalidade das praças europeias

O desempenho das energéticas é misto. A Galp Energia ganha 1,74% para 11,66 euros e a EDP sobe 0,30% para 4,40 euros. Por outro lado, a EDP Renováveis perde 0,36% para 22,07 euros e a Greenvolt recua 0,76% para 7,81 euros.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta terça-feira

Alemanha e Espanha arrancam com as divulgações da pressão de preços em novembro, embora em fases diferentes do fenómeno. Em ambos os casos, o impacto para a economia da moeda única será substancial, pelo que os investidores procurarão sinais sobre a política monetária europeia de médio-prazo.
Comentários