Wall Street fecha no verde depois do dia de menor negociações no ano

O industrial Dow Jones subiu 0,11%, o financeiro S&P 500 ganhou 0,08% e o tecnológico Nasdaq avançou 0,04%. Apesar do baixo volume de transações, os analistas consideram que o ‘rally’ vai continuar.

Reuters

As principais bolsas norte-americanas fecharam esta quarta-feira pouco alteradas, com os ganhos das tecnológicas a compensarem as descidas nas ações energéticas. A semana entre o Natal e a passagem de ano é especialmente marcada pelo reduzido volume de negociações, mas esta terça-feira foi registada a menor número de transações no ano inteiro, segundo dados da agência Reuters.

Em Wall Street, o índice industrial Dow Jones subiu 0,11% para 24.774,30 pontos, o financeiro S&P 500 ganhou 0,08% para 2.682,62 pontos e o tecnológico Nasdaq avançou 0,04% para 6.939,33 pontos.

“Não vemos os comportamentos típicos das mudanças de ano, por isso consideramos que esta confusão em dezembro é apenas temporária. A liderança do ano será retomada e continuará até 2018”, disse Craig Callahan, presidente da ICON Funds, à Reuters. “A tecnologia, por exemplo, liderou, mas não os vemos como overpriced“.

Na tecnologia, destacou-se a subida de 1% das ações do Facebook, levando o índice S&P Tecnhology para um ganho de 0,1%. Depois da queda na sessão de terça-feira, os títulos da Apple recuperaram e fecharam a subir 0,02% para 170,60 dólares. Por outro lado, a correção no preço do petróleo depois de ter tocado máximos de dois anos e meio deu ao S&P Energy um deslize de 0,4%.

No mercado cambial, o dólar desvaloriza 0,30% para 0,840 euros e 0,19% para 0,746 libras. Já contra a moeda japonesa, a divisa norte-americana aprecia-se 0,07% para 113,31 ienes. Os juros das Treasuries a 10 anos recuam 5,6 pontos base para 2,41%.

Relacionadas

Wall Street abre ‘flat’, mas matérias-primas dão bom prenúncio para 2018

Numa semana marcada pelo baixo volume de negociações, o foco está nas matérias-primas. O cobre atingiu máximos de dois anos e meio e o petróleo tocou o valor mais elevado desde o final de 2015.

‘Spoiler alert’: tudo o que precisa de saber sobre os mercados em 2018

Com o aproximar do final do ano, a época é já de antevisões sobre o que vai acontecer nos mercados em 2018. Desde obrigações a criptomoedas, passando por risco político e o ‘rally’ nas bolsas europeias, a Bloomberg analisou o que devemos esperar em 2018. Depois de um 2017 positivo, o próximo ano vai ser de desafios, alerta a agência.

Robustez da economia e lucros alinharam-se para ano “excecional”

Do hemisfério norte ao sul, as principais bolsas fecham o ano a somar valorizações. Wall Street lidera a corrida, com as tecnológicas em destaque. Na Europa, os países periféricos brilharam num momento positivo.

2017: Prosperidade nas ações estende-se de norte a sul

O ano que termina trouxe ganhos para as ações globais, mas a Argentina foi de longe a estrela. O índice ‘benchmark’ de Buenos Aires recuperou do fraco desempenho de 2016 e passou impune aos baixos preços do petróleo e ás eleições no país. Wall Street viveu o Trump ‘rally’ e o S&P 500 caminha para o melhor desempenho deste 2013. Na Europa destacam-se Istambul e Viena, enquanto Lisboa ficou acima dos pares. Em sentido contrário. O Reino Unido foi penalizado pelo Brexit.
Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir à vitória do partido extrema-direita liderado por Giorgia Meloni em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.
Comentários