Wall Street fecha no ‘verde’ entre resultados das big tech e receios de recessão

Em Wall Street espera-se esta semana a divulgação dos resultados do Produto Interno Bruto e da inflação e também a posição da Fed sobre taxas de juro.

Wall Street | Spencer Platt/Getty Images

Em Wall Street fechou no ‘verde’, numa semana que será marcada pela divulgação de resultados de tecnológicas (big tech) e também do Produto Interno Bruto (PIB) e inflação dos Estados Unidos da América. Pelo meio ficam ainda receio de uma recessão na economia norte-americana.

O Dow Jones valorizou 0,76% para os 33,628.84 pontos, o S&P 500 subiu 1,18% para os 4,019.35 pontos, e o Nasdaq teve um crescimento de 2,01% para os  11,364.41 pontos.

A Microsoft é uma das empresas que deve apresentar os seus resultados esta terça-feira, enquanto que a Intel e a Tesla devem divulgar os seus desempenhos empresariais na quarta-feira, de acordo com o Wall Street Journal.

Wall Street acabou por seguir o ‘verde’ das principais bolsas europeias. O DAX (Alemanha) valorizou 0,46%, o FTSE 100 (Reino Unido) valorizou 0,18%, o CAC 40 (França) subiu 0,52%.

Quanto ao IBEX 35 (Espanha) subiu 0,29%, o AEX (Países Baixos) valorizou 1,25%, e o FTSE MIB (Itália) teve um crescimento de 0,18%.

No mercado petrolífero o brent sobe 0,54% para os 88,10 dólares e o crude desvaloriza 0,01% para os 81,63 dólares.

O euro valoriza face ao dólar com uma subida de 0,10% para os 1,0867 dólares. O euro valoriza face à libra com uma subida de 0,23% para as 0,87839 libras.

Recomendadas

EDP Renováveis mantém negociações do PSI em baixo

A maioria dos principais índices europeus seguem a mesma linha que Portugal, estando a negociar em terreno negativo.

Sector energético pressiona PSI. Lisboa abre no ‘vermelho’

A EDP Renováveis e a Greenvolt são as cotadas a perder mais terreno, recuando mais de 1% na abertura da última sessão da semana.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Os índices de gestores de compras para a zona euro e Reino Unido são divulgados no dia a seguir a nova subida dos juros na economia britânica, que destoa da tendência menos negativa do que o temido no resto o continente e parece mesmo estar em recessão.
Comentários