Wall Street fecha semana no ‘vermelho’ pela terceira semana consecutiva

Os dados de agosto relativos ao emprego, que revelaram a criação de 315 mil postos de trabalho nos EUA, não conseguirão aliviar os receios de que a Reserva Federal continuará a subir agressivamente as taxas de juros para combater a inflação, e levar a economia a uma recessão.

Os principais índices bolsistas norte-americanos fecharam a semana a tombar para o vermelho, depois de abrir em alta nesta sexta-feira.

Os dados de agosto relativos ao emprego, que revelaram a criação de 315 mil postos de trabalho nos EUA, não conseguirão aliviar os receios de que a Reserva Federal continuará a subir agressivamente as taxas de juros para combater a inflação, e levar a economia a uma recessão.

O industrial Dow Jones fechou a descer 1,07% para os 31.318,44 pontos, enquanto o empresarial S&P 500 recuou 1,31% para os 3.926,00 pontos e o tecnológico Nasdaq desvalorizou 1,03% para os 3.926,00 pontos.

O S&P 500 foi particularmente atingindo pelo aumento das preocupações de uma crise de energia na Europa, que vieram a contrabalançar as boas notícias dos dados do mercado de trabalho dos EUA.

O preço do barril de petróleo está a ter uma pequena valorização, com o brent a crescer 0,88% para os 93,17 dólares e o crude a valorizar 0,59% para os 87,05 dólares.

No mercado cambial, o euro está a ter uma valorização de 0,13% face ao dólar, para os 0,9957 dólares.

Recomendadas

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.

Euro e libra recuam para mínimos de décadas face ao dólar

O euro e a libra terminaram hoje a semana a recuar para mínimos de décadas face ao dólar, com as moedas europeias pressionadas por receios de recessão e o dólar a beneficiar do estatuto de ativo seguro.
Comentários