Wall Street fecha sessão no vermelho com petróleo em queda

Praças norte-americanas encerram em terreno negativo penalizadas pela queda do preço do petróleo, com o industrial Dow Jones a adiar a marca histórica de 20.000 pontos. Vendas de casas usadas no últimos mês nos EUA atingiram o nível mais elevado desde fevereiro de 2007.

Reuters

Os mercados acionistas dos EUA encerraram a sessão com perdas ligeiras, com o índice industrial Dow Jones, que fechou a perder 0,16%, a adiar a marca histórica de 20.000 pontos.

O tecnológico Nasdaq recuou 0,23%, o S&P 500 caiu 0,29% e o Russell 2000 deslizou 0,73%.

No mercado petrolífero, o Brent cai 1,42% para 54.51 dólares por barril, e o crude recua 1,48% para 52.51 dólares.

Os preços do petróleo negoceiam em queda, invertendo os ganhos da manhã, após os inventários de crude terem subido 2,26 milhões de barris na semana passada nos EUA, de acordo com a Energy Information Administration. A subida foi inesperada e é a primeira em cinco semanas. Os analistas sondados pela Bloomberg previam uma queda de 2,5 milhões de barris.

As vendas de casas usadas em novembro nos EUA atingiram o nível mais alto em quase 10 anos, atingindo 5.61 milhões de unidades, um aumento de 0,70%, provavelmente devido à decisão dos compradores de adquirirem imóveis com juros mais baixos, como antecipação a eventuais aumentos nos custos dos empréstimos.

No mercado cambial, o euro sobe 0,40% para 1,0431 dólares, enquanto a libra esterlina desce 0,05% para 1,2357 dólares.

Recomendadas

Portugal defende “acordo equilibrado” para gestão de ‘stocks’ pesqueiros

Portugal defendeu na segunda-feira em Bruxelas um “acordo equilibrado” para a gestão de ‘stocks’ pesqueiros entre a União Europeia, Reino Unido e a Noruega, informou hoje o Ministério da Agricultura e Alimentação. Em comunicado, o Ministério indica que no Conselho Agricultura e Pescas da União, que decorreu em Bruxelas na segunda-feira foram discutidas as orientações […]

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta terça-feira

“Salário mínimo vai perder poder de compra pela primeira vez desde 2013”; “Famílias com prazo-limite para tratar das partilhas de terrenos”; “Seleção procura lugar na final four antes do anúncio dos convocados para o Mundial”

Marcelo “pessimista” teme efeitos de “discurso muito dramático” do BCE (com áudio)

Perante uma plateia de empresários portugueses em São Francisco, na noite de segunda-feira na Califórnia, hoje de madrugada em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu, porém, também ele “uma análise pessimista” da conjuntura económica portuguesa nos próximos tempos, “por causa do mundo”.
Comentários