Wall Street: guerra na Ucrânia continua a condicionar o mercado

Mais um dia de fortes quedas dos principais índices de referência voltam a envolver o mercado num ambiente pesado. As mexidas nas taxas de juto por parte da Reserva Federal serão, acreditam os investidores, mais radicais que o previsto.

Reuters

Os principais índices de ações dos Estados Unidos caíram ao longo da sessão desta quinta-feira para fecharem o primeiro trimestre com a maior queda trimestral em dois anos, num contexto em que persistem grandes temores sobre o conflito na Ucrânia e o seu efeito devastador na inflação – que obrigará, já todos o interiorizaram, a respostas severas da parte da Reserva Federal (Fed).

Embora o otimismo sobre um possível acordo de paz entre a Ucrânia e a Rússia tenha ajudado a elevar os negócios no início da semana, as esperanças rapidamente se evaporaram, acumulando com a recusa do presidente da Rússia, Vladimir Putin, em continuar a cumprir os contratos de fornecimento de um terço de seu gás à Europa se as contas não passarem a ser pagas em rublos.

Os Estados Unidos impuseram novas sanções à Rússia, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, lançou a maior liberação de todos os tempos da reserva estratégica de petróleo do país, ao mesmo tempo que desafiou as empresas petrolíferas a perfurar mais, numa tentativa de reduzir os preços.

Ao mesmo tempo, a OPEP+, onde a Rússia tem lugar, recusou um aumento exponencial da produção a partir de maio, ficando-se por um ajustamento que os analistas consideram genericamente tímido e muito longe dos mínimos para surtir o efeito desejado.

Neste contexto, os investidores de Wall Street retraíram-se e os negócios tiveram um dia para esquecer. O Dow Jones Industrial Average caiu 550,46 pontos, ou 1,56%, para 34.678,35 pontos; o S&P 500 perdeu 72,04 pontos, ou 1,57%, para 4.530,41 pontos; e o Nasdaq Composite caiu 221,76 pontos, ou 1,54%, para 14.220,52 pontos.

À medida que os preços aumentam, é cada vez mais provável que a Fed se torne mais agressivo no aumento das taxas de juros para combater a inflação, reduzindo potencialmente o crescimento económico.

Os dados divulgados na quinta-feira mostraram que os preços ao consumidor mal subiram em fevereiro, com a intensificação das pressões sobre os preços, enquanto o consumo, excluindo alimentos e energia, aumentaram 0,4%, em linha com as expectativas.

“Os número que saíram, os preferidos da Fed, embora tenham acertado no alvo, foram mais ligeiros que no mês passado, mas a sensação é que continuarão a subir”, disse Ken Polcari, da Kace Capital Advisors, citado pela agência Reuters. “Isso só consolida a posição do presidente da Fed Jay Powell e a posição do banco no sentido de serem mais agressivos: haverá vários aumentos de 50 pontos base”, vaticinou.

Embora o índice S&P tenha sofrido o pior trimestre desde que a pandemia estava em plena recuperação já em 2020, mas a guerra na Ucrânia parece ter deitado tudo a perder. No trimestre, o S&P 500 caiu 4,9%, o Dow perdeu 4,6% e o Nasdaq recuou 9,1%.

Os investidores vão agora olhar para o relatório do desempregos de sexta-feira para confirmação da força do mercado de trabalho e sobre o possível caminho da política monetária pelo banco central.

Recomendadas

Espanha agrava impostos sobre lucros de petrolíferas e elétricas em 2023

Espanha vai avançar com o agravamento de impostos sobre os lucros das empresas energéticas, atendendo à subida dos preços, anunciou este sábado o primeiro-ministro Pedro Sánchez.

Espanha destina mais nove mil milhões até final do ano para responder a subida de preços

O governo espanhol aprovou este sábado um novo plano para responder ao impacto da guerra na Ucrânia na economia e ao aumento dos preços, no valor de nove mil milhões de euros até ao final do ano.

GNR garante segurança do Fórum do BCE com cerca de 140 militares por dia

Um total de aproximadamente 140 militares por dia, com a utilização de diferentes meios da Guarda Nacional Republicana (GNR), vai garantir a segurança do Fórum do Banco Central Europeu (BCE) em Sintra entre domingo e a próxima quinta-feira.
Comentários