Wall Street inicia semana com ganhos ligeiros

As praças norte-americanas transacionam com mais-valias, a beneficiar das subidas no setor da banca e da energia.

Os índices norte-americanos abriram a sessão de hoje em terreno positivo. O industrial Dow Jones iniciou a ganhar 0,40% para 19.247,95 pontos, o tecnológico Nasdaq sobe 0,36% para 5.274,58 pontos, o S&P valoriza 0,39% para 2.200,55 pontos e o Russell 2000 avança 0,88% para 1.326,09 pontos.

O Dow Jones está em máximos históricos ainda na sequência do ‘rally’ pós-eleição, suportado pelos ganhos no setor da banca e nas empresas energéticas, que estão a beneficiar da subida do preço do petróleo.

A praça de Lisboa segue no verde a valorizar 0,47% para 4.412,75 pontos, impulsionada pelos pesos-pesados, especialmente a Jerónimo Martins 2,26% e a NOS 0,87%. A Pharol sobe agora apenas 3,57% após já ter estado a disparar mais de 15% na sequência de rumores de que os fundos norte-americanos Elliot, Cerberus e G5 Evercore estarão a disputar a Oi. Em terreno negativo está o BCP, que perde 2,39%.

Na Europa, os principais índices transacionam positivos. O Dax sobe 1,24%, o índice francês CAC valoriza 0,68%, a praça holandesa AEX avança 1,03%, e o Footsie de Londres cresce 0,22%. A negociar em contraciclo está o índice italiano MIB, que desce 1,12%, no rescaldo da vitória do “Não” no referendo italiano de ontem e da consequente demissão do primeiro-ministro.

O petróleo Brent avança 1,10% para máximos de 16 meses, fixando-se nos 55,06 dólares por barril, no período que antecede a reunião da OPEP com os países não-membros do cartel.

No mercado forex o euro ganha 0,52% para 1,0718 dólares. A Libra perde 0,02% para 1,2719 dólares.

A ‘yield’ da dívida portuguesa a dez anos negoceia a descer 4,0 pontos base para 3,709%.

Recomendadas

Emirados Árabes Unidos vão fornecer à Alemanha gás liquefeito e gasóleo em 2022 e 2023

Segundo a agência noticiosa oficial dos Emirados, Wam, o acordo prevê a exportação de uma carga de gás natural liquefeito (GNL) para a Alemanha no final de 2022, seguida do fornecimento de quantidades adicionais em 2023.

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,
Comentários