Wall Street negoceia com mais-valias

As praças norte-americanas iniciaram a sessão em terreno positivo, com vários índices a atingirem novos máximos.

Lucas Jackson/Reuters

Os principais índices norte-americanos iniciaram o última sessão da semana com ganhos ligeiros. O Standard & Poor’s 500 sobe 0,18% e o tecnológico Nasdaq valoriza 0,42%. O industrial Dow Jones, que alcançou máximos nos primeiros três dias da semana, ganha 0,12%. A tendência positiva em Wall Street está relacionada com a valorização crescente das matérias-primas verificada após Donald Trump ganhar as eleições.

O petróleo Brent sobe 0,58% para 54.20 dólares por barril, e o crude sobe avança 1,18% para 51.44 dólares, na sequência do compromisso de cortar a produção petrolífera assumido pela a Arábia Saudita antes da reunião dos países não membros da OPEP, que vai decorrer amanhã em Viena.

No mercado de câmbios, o euro cai 0,60% para 1,0553 dólares, depois de ontem ter afundado 1,3% após o comunicado de Mario Draghi. Em contraciclo está a libra, que sobe 0,08% para 1,2589 dólares.

A reunião de ontem do Banco Central Europeu confirmou o que se esperava e o plano de compra de ativos vai ser alargado. O BCE anunciou, ainda, para supresa dos analistas, a redução do ritmo mensal de aquisições de 80 mil milhões para 60 mil milhões de euros, o que se repercutiu no disparo das ‘yields’ das Obrigações soberanas.

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.
Comentários