Wall Street negocia misto no início da sessão

“A revelação de que as empresas norte-americanas registaram o nível de contratação mais baixo em quase dois anos e a um ritmo bastante inferior ao previsto até poderia fazer acreditar que uma maior fraqueza no mercado laboral poderia levar a Fed a ser mais paciente com a subida de taxas de juro. No entanto, o efeito não se fez sentir nos mercados, que aguardam por um discurso de Jerome Powell, pelas 18h30h de Lisboa, o que pode justificar a passividade”, explica Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investment banking.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque negoceia mista no início da sessão desta quarta-feira.

Em terreno negativo estão o Dow Jones e o S&P500 que caem, respetivamente, 0,45% para 33.700,85 pontos e 0,16% para 33.700,85 pontos.

Por outro lado, o tecnológico Nasdaq avança 0,23% para 11.009,17 pontos.

“Wall Street arranca sem tendência definida. A revelação de que as empresas norte-americanas registaram o nível de contratação mais baixo em quase dois anos e a um ritmo bastante inferior ao previsto até poderia fazer acreditar que uma maior fraqueza no mercado laboral poderia levar a Fed a ser mais paciente com a subida de taxas de juro. No entanto, o efeito não se fez sentir nos mercados, que aguardam por um discurso de Jerome Powell, presidente da Reserva Federal, mais logo, pelas 18h30h de Lisboa, o que pode justificar a passividade”, explica Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investment banking.

No mercado petrolífero, o brent sobe 3,07% para 86,84 dólares e o crude avança 3,11% para 80,63 dólares.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão no ‘verde’ com BCP a liderar ganhos

As principais bolsas europeias terminaram divididas, com o DAX (Alemanha) e o CAC 40 (França) a registarem valorizações de 0,01%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) perdeu 0,16% e o IBEX 35 (Espanha) depreciou 0,15%.

Wall Street arranca sessão com todos os índices no ‘verde’

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão com sinais positivos nos três principais índices, apesar da queda das ações da McDonald’s.

Gestora de fundos dos EUA alerta para iminência de uma catástrofe nos mercados

A crescente dívida mundial, que não para de crescer, pode acabar num desastre financeiro de proporções mais devastadoras que o crash de 1929. A dívida “é a maior bomba-relógio de sempre da história financeira”.
Comentários