Wall Street: Petróleo puxa pelo Dow Jones

O índice industrial Dow Jones marca um novo máximo histórico em Wall Street. Mas o S&P 500 e o Nasdaq fecharam em queda.

O Dow Jones fechou a subir 0,20% para 19.796,43 pontos, o que é mais um máximo histórico. Depois do efeito Trump foi a vez do efeito petróleo puxar pelo maior índice da bolsa norte-americana.

Mas o Nasdaq (-0,59%) fechou nos 5.412,54 pontos  e o S&P 500 perdeu 0,11% para 2.256,96 pontos.

As petrolíferas Chevron e Exxon subiram 1% e 2%, respectivamente, graças ao impulso do preço do crude. O barril do Brent, referência na Europa, chegou a tocar os 57 dólares, mas à hora de fecho de Wall Street estava  nos 55,36 dólares, mesmo assim uma subida de 1,9%. O petróleo West Texas, referência nos EUA, valorizou 1,65% para 52,35 dólares. Tudo porque foi conhecido este fim de semana que os produtores de petróleo que estão foram da OPEP, acordaram baixar a sua produção em cerca de 600.000 barris diários (a Rússia assume metade desse acordo) a partir de Janeiro para contribuir para o controle da produção anunciado pelo cartel com vista a estabilizar os preços.

O Dow Jones viu subir as acções das Johnson & Johnson, Pfizer e Wal-Mart Stores, com subidas superiores a 2%.

No lado das quedas estiveram as acções dos bancos e restante sector financeiro. Goldman Sachs, JP Morgan Chase, Visa e American Express perderam mais de 1%.

 

Os olhos dos investidores estão agora na reunião da Fed de quarta-feira, diz 14. A subida das taxas de referência é tida como certa.

Recomendadas

Wall Street fecha com perdas à espera de novos dados do emprego norte-americano

Os três principais índices encerraram as negociações a encarnado. O Twitter ainda arrancou a sessão a subir, mas as ações da rede social acabaram por desvalorizar mais de 3% na sequência de Elon Musk, dono da Tesla que quer comprar a empresa, ter perdido os parceiros de investimento (Apollo Global Management e Sixth Street Partners) no negócio.

Diretora do FMI avisa que situação económica “ainda vai piorar antes de melhorar”

“A incerteza é muito elevada”, referiu Kristalina Georgieva, destacando os efeitos da guerra, apontando que pandemia que “ainda não desapareceu” e acrescentando também que “os riscos em torno da estabilidade financeira estão a crescer”.

PSI fecha em queda em linha com Europa. EDPs lideram perdas

As bolsas europeias encerraram na sua globalidade em baixa. Já o petróleo está em rota ascendente depois de a OPEP+ ter anunciado um corte agressivo na produção. Por sua vez as ‘yields’ da dívida a 10 anos estão em alta.
Comentários