Wall Street recupera e deixa os ‘ursos’ um pouco mais longe

O S&P 500 subiu 0,90%, para 2.489,88 pontos; o tecnológico Nasdaq valorizou 0,41%, para 6.288,30 pontos; e o industrial Dow Jones subiu 1,13%, para 23.136,53 pontos.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque conseguiram inverter as perdas da abertura, fechando a negociar em terrenos positivos. Mesmo no final da sessão, os investidores aceleraram as ordens de compra, fazendo os índices subir. As garras do urso ficaram assim um pouco mais distantes com a volatilidade a marcar presença nos mercados, depois de uma sessão que parecia anular os ganhos históricos registados na véspera.

O S&P 500 subiu 0,90%, para 2.489,88 pontos; o tecnológico Nasdaq valorizou 0,41%, para 6.288,30 pontos; e o industrial Dow Jones subiu 1,13%, para 23.136,53 pontos. A subida no final de sessão dos índices foi uma lufada de ar fresco, uma vez que estiveram negativos a maior parte do dia. Com a performance final do S&P 500, o índice conseguiu a maior subida em dois dias consecutivos desde agosto de 2015, segundo os analistas da Reuters.

Para o presidente da consultora Pacer ETF, Sean O’Hara, o comportamento recente dos mercados não tem uma explicação simples. “É difícil explicar movimentos como os de hoje e de ontem, assim como do último mês”, disse à Reuters.

Nas matérias-primas, o “ouro negro” continua a desvalorizar, depois dos ganhos acentuados da véspera. Em Londres, o barril de Brent, referência mundial e para o mercado europeu, perdeu 2,39%, para 53,17 dólares, enquanto em Nova Iorque, o West Texas Intermediate, referência para o mercado norte-americano, cedeu 1,38%, para 45,58 dólares.

(atualizada)

Relacionadas

Praças europeias invertem otimismo de abertura e regressam às perdas

A Europa inverteu a tendência positiva registada durante a abertura das bolsas, voltando às perdas depois de ontem se ter registado o maior rally desde 2009 em Wall Street.

Praças europeias em terreno negativo com PSI-20 a entrar em “bear market”

A incerteza em torno da conjuntura mundial continua a penalizar o sentimento dos investidores. Em causa, está o shutdown parcial do governo norte-americano, o ceticismo em relação ao desfecho das negociações comerciais entre os EUA e a China, e também o arrefecimento da economia mundial.

Volatilidade anula ganhos de Wall Street

O ‘shutdown’ parcial do governo norte-americano, a incerteza em torno do desfecho das negociações comerciais entre os EUA e a China, assim como o arrefecimento da economia mundial continuam a influenciar os mercados.
Recomendadas

Wall Street encerra no ‘verde’, mas a semana será de perdas

O índice empresarial S&P 500 fechou a avançar 0,75%, com 3.963,51 pontos. Já o industrial Dow Jones ganhou 183 pontos, ou seja, 0,55%. Sem grandes surpresas, foi o tecnológico Nasdaq a saltar mais de 1% (1,13%) e a encerrar com 11.082 pontos.

Bolsa de Lisboa fecha em queda arrastada pela EDP Renováveis numa Europa mista

O tombo da bolsa deve-se em grande parte à queda das ações da EDP Renováveis. As ações caíram -2,19% para 21,39 euros no dia em que foi noticiado que ganhou o leilão para contruir um parque eólico “offshore” de grande escala ao largo da Califórnia.

Wall Street abre a valorizar com S&P 500 a contrariar cinco dias de perdas

O índice industrial Dow Jones arrancou a sessão a escalar 235 pontos (+0,7%), impulsionado pelos ganhos da Chevron e da Boeing. Já o empresarial S&P 500 acompanhou a subida em 0,7%. Por sua vez, o tecnológico Nasdaq valorizava quase 1% (0,9%).
Comentários