Wall Street regressa aos ganhos a meio da semana

A Apple destacou-se esta quarta-feira por afundar mais de 4%, na sequência de a gigante liderada por Tim Cook ter posto na gaveta o seu plano para aumentar a produção dos seus novos iPhones, mas as ações acabaram por encerrar a sessão com uma perda de pouco mais de 1%.

A bolsa de Nova Iorque fechou a sessão desta quarta-feira em terreno positivo, recuperando do panorama ‘encarnado’ da abertura, num dia em que a principal notícia nos mercados foi o facto de o Banco de Inglaterra ter informado que irá intervir no mercado de dívida, adquirindo obrigações do Estado para estabilizar a libra esterlina.

Em Wall Street, o índice industrial Dow Jones avançou 1,88% para os 29.683,74 pontos no término das negociações de hoje. Quanto ao índice financeiro S&P 500, somou 1,97% para os 3.719,04 pontos e o tecnológico Nasdaq subiu 2,05% para os 11.051,64 pontos. Por sua vez, o Russell 2000 valorizou 3,77% para os 1.725,13 pontos.

A Apple foi uma das cotadas em destaque, uma vez que as ações chegaram a afundar mais de 4%, na sequência de a gigante liderada por Tim Cook ter posto na gaveta o seu plano para aumentar a produção dos seus novos iPhones devido à baixa procura por parte dos consumidores. Os títulos acabaram por encerrar com uma perda de 1,27% para 149,84 dólares.

“A empresa terá instruído os seus fornecedores a abrandarem os esforços para aumentar a produção em 6 milhões de unidades para o segundo semestre de 2022. As previsões anteriores da empresa apontavam para um aumento das encomendas em 7%. Atualmente, planeia produzir cerca de 90 milhões de unidades para o segundo semestre do ano, semelhante a 2021 e o processo de fabrico irá concentrar-se em modelos premium”, explicaram os analistas da XTB, numa research na qual citam a agência “Bloomberg”.

A Lyft, concorrente da Uber, sobressaiu depois de anunciar que congelou todas as contratações nos Estados Unidos até ao final do ano, no âmbito de um corte de custos para controlar o impacto da inflação. Ainda assim, ações da empresa de transporte de passageiros subiram 2,40% para 14,50 dólares, reagindo bem à decisão.

“Importante destacar a Biogen  [+39,85% para 276,61 dólares] que dispara depois de ter mostrado resultados promissores no medicamento para o Alzheimer. A Ocugen[+11,54% para 2,030 dólares] também segue bastante animada depois de anunciar parceria”, refere Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, numa nota de mercado.

Já os analistas do Bankinter destacam que Evans, da Fed de Chicago, “reconheceu ontem um erro de cálculo por parte da Fed, que devia ter começado a agir antes, e indicou que podemos alcançar uma taxa de juro entre 4,5% e 4,75%, em comparação com os 3,0% e 3,25%”.

Quanto às matérias-primas, o ‘ouro negro’ dispara mais de 3%. O preço do petróleo WTI, produzido no Texas, valoriza 4,60% para os 82,11 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent avança 3,67% para os 87,95 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro está a apreciar 1,52% face à moeda dos Estados Unidos, para os 0,9738 dólares. Em relação à libra esterlina, a moeda de 19 países da União Europeia sobe os ligeiros 0,13% para 0,8947 libras.

Recomendadas

Wall Street encerra sessão com índices a desvalorizar mais de 1%

No fim de sessão em Wall Street o Dow Jones perde 1,45% para 33.849,46 pontos, o S&P 500 cai 1,51% para 3.965,30 pontos e o tecnológico Nasdaq cede 1,58% para 11.049,50 pontos. 

PSI cai em linha com Europa. Greenvolt e BCP lideram perdas

Dos quinze títulos apenas três fecharam em alta em Lisboa. Lá fora, “o ambiente de contestação social que se vive na China, onde se intensificam os protestos contra a política de Covid zero, está a gerar desconforto aos investidores e que desta forma descontam o mesmo nas bolsas”, realça o analista da MTrader.

Lagarde avisa que taxas de juro vão continuar a subir

Dados da inflação na zona euro em novembro vão ser conhecidos esta semana. BCE reúne-se em meados de dezembro.
Comentários