Wall Street renova máximos devido aos estímulos fiscais

Os três principais índices norte-americanos abriram a sessão desta terça-feira no ‘verde’. A Boeing sobe depois de a American Airlines anunciar que será a primeira companhia área dos Estados Unidos a retomar os voos comerciais com o 737 Max, que parou no início de 2019 depois dos acidentes.

Brendan McDermid / Reuters

Wall Street mantém-se em alta depois de ontem o novo pacote de estímulos à economia norte-americana ter sido aprovado pelo presidente cessante dos Estados Unidos e de os embaixadores europeus terem dado ‘luz verde’ ao acordo comercial do Brexit. A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta terça-feira em terreno positivo, renovando máximos.

Assim, o índice industrial Dow Jones sobe 0,43% para 30.534,58 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 avança 0,40% para 3.750,18 pontos. Já o tecnológico Nasdaq cresce 0,35% para os 12.944,25 pontos. Só o Russell 2000 desvaloriza 0,61% para os 1.985,90 pontos.

Em causa estão as esperanças de (ainda) mais estímulos fiscais. A Câmara dos Representantes aprovou um projeto de lei esta madrugada (hora local) para aumentar os pagamentos diretos (cheques) às famílias dos atuais 600 dólares (cerca de 489 euros), previstos no pacote de 900 mil milhões assinado por Donald Trump, para 2 mil dólares (aproximadamente 1.631 euros).

A Boeing é uma das empresas em destaque na sessão, pois a companhia aérea American Airlines tornou-se hoje a primeira dos Estados Unidos a retomar os voos comerciais com o 737 Max – que parou no início de 2019 depois dos acidentes – com uma viagem de Miami para o Aeroporto LaGuardia em Nova Iorque. As ações da empresa sobem 1,59% para 219,52 dólares.

“Estimamos que a sessão de hoje irá manter a tendência altista com que iniciámos a semana. Também ficámos a conhecer o princípio de acordo entre a União Europeia e a China, para impulsionar o investimento europeu no país asiático”, referem os analistas do Bankinter, numa nota de mercado.

O valor do ‘ouro negro’ está a subir. O preço do petróleo WTI, produzido no Texas, sobe 1,15% para os 48,17 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a valorizar 1% para os 51,41 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro valoriza 0,40% face ao dólar, para 1,2262 dólares, enquanto a libra esterlina valoriza 0,42% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,3506 dólares.

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

Uma semana rica em dados da inflação na Europa, que os mercados analisarão com atenção na busca de sinais sobre a política monetária de médio-prazo do BCE, que tem vários responsáveis a discursar. Também nos EUA e Inglaterra os responsáveis pelos bancos centrais discursam na antecâmara da última reunião do ano.

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.
Comentários