Wall Street: Reserva Federal volta a atirar mercados para o vermelho

O aumento das taxas de juro em mais 75 pontos base não deu margem para que os principais índices bolsistas tivessem um dia desafogado. Apesar de, depois do anúncio, ainda ter havido alguma esperança.

A Reserva Federal norte-americana anunciou a sua decisão sobre as taxas de juro e avançou com mais uma subida de 75 pontos base, colocando-as nos 3,75-4%. A decisão saiu em linha com as expectativas do mercado e enquanto o dólar caiu, os índices de ações recuperaram. Mas por pouco tempo: os principais indicadores da bolsa acabaram por fechar no vermelho, o que parece ter espantado alguns analistas.

De facto, a Fed tentou, posteriormente ao anúncio, acalmar os mercados, ao afirmar que eventuais novas subidas podiam ser menos severas que as efetuadas até então. Não serviu de nada, em termos de Wall Street.

Entretanto, os últimos dados económicos nos Estados Unidos mostram uma economia resiliente e um mercado de trabalho robusto, dando argumentos para a Fed continuar agressiva. Talvez tenha sido esta constatação que levou os investidores do mercado de capitais a manter o seu ceticismo face ao banco central.

Mas há outra razão: o “nível final” da taxa básica de juros da Fed provavelmente ficará mais alto que o estimado, disse também o presidente sa instituição, Jerome Powell. Reside aqui, segundo os analistas, a explicação para mais um dia negativo dos mercados.

O Dow Jones segue a negociar nos 32.147,76 pontos, menos 505,44 pontos ou menos 1,55%; o NASDAQ não vai além dos 10.524,80 pontos, menos 366,05 ou menos 3,36%; e o S&P 500 está nos 3.759,69 pontos, menos 96,41 pontos ou menos 2,5%.

Desta vez, a Casa Branca também não se deixou de fora: a medida da Reserva Federal ajudará a reduzir a inflação e um aumento nas taxas das hipoteca imobiliárias deve seguir no mesmo sentido, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, esta quarta-feira, já depois do anúncio do banco central.

“Talvez seja um momento de frustração. Não acho que a Fed devia ter feito isto da forma que o fez. Mas entendo porque o fez , e no quadro geral, está a fazer as coisas certas”, disse Stephen Massocca, da Wedbush Securities, citado pela agência Reuters.

“Em última análise, isso será bom para a economia e bom para o mercado.”

 

Recomendadas

Reserva Fedrela diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Feral norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.
Comentários