Wall Street sobe em véspera de eleições

Para hoje, o menu poderá conter mais alguma valorização no segmento acionista, mas o sentido é bem menos certo.

Brendan McDermid / Reuters

Estatisticamente o ano de eleições intercalares é uma boa altura para os touros, seja antes como depois, mas especialmente após, com ganhos nos 12 meses subsequentes que superam os 10%, contudo cada caso é um caso, é preciso incorporar sempre as circunstâncias do momento e neste caso estamos perante uma situação única. Com efeito, não só os EUA atravessam uma disrupção inédita da sua política monetária, com uma subida dos juros a todos os níveis impensável há poucos meses, assim como a economia atravessa um período de inflação muito elevada, como não tinha ocorrido na era da globalização.

Não tão incomum é a possibilidade de um Congresso norte-americano dividido, em resultado do ato eleitoral que hoje irá decorrer, sendo que desta feita será quase de certeza desfeita a maioria absoluta que os Democratas detêm em todos os órgãos principais de governo, o que pode ter sido o catalisador para a recente desvalorização do US dólar, não obstante os dados económicos e a decisão da Reserva Federal, indicarem teoricamente que deveria ter valorizado. A causa para esta divergência é a elevada probabilidade dos próximos meses serem de impasse legislativo, com muito combate político entre os dois partidos, o que poderá colocar em causa por exemplo o orçamento federal, para não falar das políticas do presidente Biden, que deverão agora ter forte resistência na sua aprovação.

Daí que os próximos dias devam ser de especial importância para se conseguir perceber se a movimentação descendente do U.S dólar é para continuar, ou se foi apenas um período de correção técnica. Igualmente relevante, serão os dados do Consumer Price Index que vão sair na quinta-feira, desempenhando o papel mais relevante para o comportamento da moeda e dos índices até saírem as minutas relativas à última reunião do banco central norte-americano. Para hoje, o menu poderá conter mais alguma valorização no segmento acionista, mas o sentido é bem menos certo, dada a incerteza sobre o resultado das eleições, com alguma proteção a ser equacionada, até porque da China as notícias não foram as melhores, com um aumento significativo dos casos de COVID, o que reforça a política restritiva que tem sido implementada por Pequim, com vista a conter os surtos que têm surgido.

 

 

O gráfico de hoje é do USD/JPY, o time-frame é de 4 horas

Este par de moedas está dentro de um canal wedge, sendo importante estar atento ao breakout ou breakdown que irá efectuar, indiciando assim o próximo movimento relevante.

Recomendadas

PSI cai em linha com Europa. Greenvolt e BCP lideram perdas

Dos quinze títulos apenas três fecharam em alta em Lisboa. Lá fora, “o ambiente de contestação social que se vive na China, onde se intensificam os protestos contra a política de Covid zero, está a gerar desconforto aos investidores e que desta forma descontam o mesmo nas bolsas”, realça o analista da MTrader.

Lagarde avisa que taxas de juro vão continuar a subir

Dados da inflação na zona euro em novembro vão ser conhecidos esta semana. BCE reúne-se em meados de dezembro.

Wall Street começa semana em terreno negativo

O Dow Jones começou o dia em Wall Street a perder 0,23% para 34.269,38 pontos, o S&P 500 a ceder 0,59% para 4.002,33 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 0,38% para 11.183,44 pontos. 
Comentários